Dubai World reúne-se com credores e pode vender ativos

Dívida de US$ 3,52 bilhões em bônus sukud vence na próxima semana e há risco de calote nos pagamentos

Cynthia Decloedt, da Agência Estado

07 de dezembro de 2009 | 08h34

Representantes do problemático conglomerado Dubai World ser reunirão com credores nesta segunda-feira, 7, para negociar a reestruturação de uma dívida de US$ 26 bilhões, disseram fontes próximas ao assunto à agência Zawya Dow Jones.

 

Em entrevista postada no site da TV Al Jazeera, o diretor geral do Departamento de Finanças de Dubai, Abdulrahman al Saleh, também afirmou que o grupo pode vender ativos nos Emirados Árabes Unidos e no exterior para levantar recursos para pagar sua dívida.

 

De imediato, os investidores estão preocupados com vencimentos relacionados a US$ 3,52 bilhões em bônus sukud, bônus islâmicos, emitidos pela subsidiária imobiliária do Dubai World, o Nakheel. A dívida vence em 14 de dezembro e, se não houver acordo, pode haver calote nos pagamentos.

 

Os investidores estão preocupados com as afirmações do governo de Dubai, feitas na semana passada, de que não seria responsável pelas dívidas do Dubai World, um conglomerado estatal. O mercado de ações de Dubai caiu forte nesta segunda-feira, com seu índice de referência registrando baixa de 5,8% no fechamento.

 

Abdulrahman al Saleh afirmou também que o principal objetivo da reestruturação do Dubai World é garantir a continuidade de suas operações, segundo a Dow Jones.

 

Texto atualizado às 12h30.

Tudo o que sabemos sobre:
MACRODUBAICREDORES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.