Duhalde ameaça abrir mercado para açúcar do Brasil

O presidente da Argentina, Eduardo Duhalde, ameaçou abrir o mercado argentino às importações de açúcar do Brasil para conter o aumento de preços. Embora parceiros comerciais no Mercosul, os dois países têm um acordo especial no setor de açúcar que praticamente impede as exportações brasileiras desse produto, protegendo os argentinos. O aumento de preços frente à iminente desvalorização do peso já é uma preocupante realidade na Argentina e chega a 30%, sobretudo no caso de importados, eletrodomésticos, produtos de informática e alguns medicamentos e alimentos. Mas os varejistas se eximem de responsabilidade e culpam os atacadistas pelos reajustes. Em reunião na residência oficial, Duhalde pediu a colaboração de supermercadistas e produtores de alimentos para que não aumentem os preços. O que ouviu, entretanto, foi uma acusação. As lideranças empresariais dispararam que desejam colaborar e manter os preços como estão, mas setores como os produtores de farinha e açúcar já subiram os preços. ?Eles aumentam os preços para o varejo e nós é que temos de colocar a cara em público e aguentar os saques?, respondeu o empresário Alfredo Coto, importante varejista do país.Os varejistas também culparam a indústria, que estaria aumentando os insumos e cobrando embalagens em dólares. Diante do impasse, Duhalde fez a ameaça de abrir as importações para derrubar preços. Os custos de produção de açúcar no açúcar estão entre os menores do mundo.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.