Duhalde diz que ainda vai decidir quem presidirá BC

O presidente Eduardo Duhalde colocou em dúvida a permanência de Mario Blejer à frente do Banco Central. Em uma entrevista ao canal de televisão TN (Todo Notícias), Duhalde disse que "nos próximos dias" decidirá o perfil de quem ocupará a presidência do Banco Central, que deverá "refletir a nova aliança do governo" com o setor produtivo nacional. Blejer, no entanto, já é considerado pelo mercado e pela imprensa argentina como o presidente da instituição que, até a saída de Pedro Pou, em abril do ano passado, era independente, com mandato de cinco anos.A demissão de Pou foi provocada pelas brigas com Domingo Cavallo e ele saiu antes de terminar seu mandato. O BC argentino retomará várias de suas funções destituídas a partir da conversibilidade, há 11 anos.A aprovação, ontem, da reforma da Carta Orgânica, pelo Senado, autoriza o BC a emitir moeda e a se tornar emprestador de última instância. Alguns parlamentares se negaram a votar, reclamando a "ausência de regras monetárias para restringir a emissão". Outros criticaram a falta de explicações do governo para que o BC se torne credor de última instância. "É um verdadeiro cheque em branco para que o Banco Central ajude entidades financeiras sem nenhum controle", afirmou o senador de Salta, Ricardo Gómez Diez.A reforma na Carta Orgânica estabelece uma espécie de Proer para os bancos argentinos, uma medida que já havia antes do regime cambial da paridade um a um. O BC poderá injetar dinheiro nos bancos com problemas de liquidez até um limite equivalente a seus patrimônios. Em troca, o BC passará a ter participação acionária no banco assistido que, se não conseguir manter a liquidez, será liquidado pelo BC.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.