Duhalde diz que participaria de panelaços

Desesperado para reverter os protestos populares em apoio a seu governo, o presidente argentino, Eduardo Duhalde, está se valendo da mais típica prática peronista dizer às pessoas o que elas querem ouvir. Nesta terça-feira, durante seu novo programa de rádio, Duhalde declarou que certamente participaria de panelaços e de marchas de desempregados se não estivesse no governo e reiterou a promessa de criar 1 milhão de postos de trabalho. A estratégia de sensibilização envolve até mesmo a incorporação do ex-craque Diego Armando Maradona àequipe da Secretaria Nacional de Esportes, dada a sua influência entre os mais humildes e as crianças.?Se eu não tivesse esta responsabilidade, talvez estaria em uma marcha de desempregados ou com uma panela. Mas tenho de ver como podemos, nesta situação limite, chegar a uma solução rápida para esta Argentina, que tantas vezes qualifiquei como injusta e dependente, afirmou?. ?Peço a todos os setores que me ajudem porque pensamos damesma forma, completou, dirigindo-se diretamente aos que participaram dos últimos panelaços e marchas?, disse. Duhalde explorou mais uma vez o seu programa ?Conversando com o Presidente?, transmitido pela Rádio Nacional, para tentar sensibilizar os setores mais revoltados da população. No último sábado, ao inaugurar a iniciativa, respondeu ao panelaço nacional da noite anterior dizendo, em tom paternal, que sua missão era proteger os interesses dos que se mobilizam em protestos e advertindo para que tenham cuidado para não gerarem uma tragédia maior. Duhalde usará esse canal três vezes por semana às terças, quintas e sábados. Nesta terça-feira, o presidente respondeu diretamente à marcha de cerca de 15 mil desempregados e sindicalistas não alinhados ao peronismo, realizada nesta segunda-feira, que pediu a criação de 1 milhão de postos.Conforme afirmou, o Orçamento de 2002, que está sendo fechado pelo Ministério da Economia, prevê a a criação de 750 mil postos de trabalho para chefes de família desempregados e mais 250 mil em obras públicas, destinadosaos jovensDe forma didática, Duhalde antecipou que os salários não alcançarão os 380 pesos mensais pleiteados pela Frente Nacional contra a Pobreza. Deixou claro que serão de 200 pesos porque a Argentina está superquebrada, e os industriais, comerciantes e produtores têm dificuldades para pagar os impostos. Antecipando-se a um protesto de trabalhadores em hospitais, previsto para duas horas mais tarde, Duhalde prometeu a solução para a crise de fornecimento de insumos ede remédios em duas semanas. A incorporação de Maradona ao governo, mesmo que em uma função despolitizada, tenderia a fixar um elo com a população que ainda não conseguido por meio dos discursos francos. Em Washington, o secretário de Esportes, Daniel Scioli, confirmou que convidou o ex-craque para sua equipe e antecipou que ele estaria entusiasmado com a idéia. Em princípio, Maradona atuaria em um projeto de criação de escolinhas de futebol por todo o país. ?É um símbolo. Eu gostaria muitíssimo que Maradona, por tudo o que representa para todos os argentinos, especialmente para os mais humildes, pudesse colaborar com as crianças?, afirmou Scioli.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.