Duhalde não conseguiu acordo com governadores

O presidente Eduardo Duhalde não conseguiu um acordo com os governadores das 24 províncias argentinas para cortar gastos e reduzir o montante de repasses da União. O governo propôs uma reforma integral do regime de co-participação de impostos, que deverá ser aprovada por uma lei do Congresso, permitindo que as províncias arrecadem impostos nacionais e tenham participação no imposto ao cheque (a CPMF) que hoje pertence somente à União.O governo quer mudar a forma de repartir a massa tributária de maneira que a União fique com 62% dos impostos arrecadados e deixe 38% para as províncias . Atualmente, esta proporção é de 56% e 44%, respectivamente. A reforma também acabaria com o piso mensal de $1,364 bilhão de pesos que o governo é obrigado a repassar às províncias, independentemente do valor arrecadado.Os governadores ficaram de estudar a proposta do governo mas, em princípio, não se mostraram nem um pouco abertos às mudanças. Uma nova reunião, desta vez entre os governadores e seus respectivos ministros de Economia (secretários de Fazenda), ocorrerá hoje para analisar o assunto.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.