Duhalde pede a união do povo para restabelecer a nação

O presidente Eduardo Duhalde disse nesta terça-feira, em Tucumán, onde foi participar das comemorações do dia da independência do país, que a Argentina está em perigo e que a atual situação (financeira e econômica) crítica só será superara se os argentinos se unirem. Duhalde exortou a classe política a escutar o "clamor da pátria e do povo" para "restabelecer" o país. Caso contrário, acrescentou, "perdermos tudo". Sem mencionar dados, Duhalde disse que a Argentina começa a se recuperar e encontrar o equilíbrio constitucional. "Desde que assumi consegui pacificar a sociedade e receber a solidariedade internacional", afirmou.De acordo com o presidente, apenas andando juntos os argentinos poderão enfrentar a difícil tarefa de reconstruir a nação. "Temos de recuperar o objetivo de ser livre e soberano e, depois, conseguir que o país chegue a um destino comum, onde ninguém seja excluído", discursou Duhalde. Para ele, as únicas forças capazes de ajudar o país são as dos argentinos. "Dependemos só de nós mesmos para restabelecer a nação, ou perderemos tudo". Em Buenos Aires, a ministra do Trabalho, Graciela Camaño, tentou atenuar o gravíssimo problema do desemprego afirmando que o índice não subiu "mais do que 2,5 pontos porcentuais em relação a outubro do ano passado, último dado oficial divulgado pelo Instituto Nacional de Censos e Estatísticas (Indec). Naquele mês, a taxa de desemprego oficial estava em 19% da População Economicamente Ativa (PEA). Estudos independentes já indicam que o desemprego disparou para 23%". "De outubro a maio acreditamos que 200 mil empregos desapareceram. Mas há setores onde foram cridos postos de trabalho, como o do setor de (exportação) de carne", afirmou a ministra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.