Durão Barroso quer esforço de Lula na Rodada Doha

O presidente da Comissão Européia, José Manuel Durão Barroso, vai cobrar amanhã do presidente Luiz Inácio Lula da Silva um "esforço construtivo" do governo brasileiro nas negociações da Rodada Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC). De forma mais direta, a União Européia pretende pressionar o Brasil a apresentar ofertas mais ambiciosas sobre temas de seu especial interesse, como a liberalização do comércio de produtos industriais e de serviços e mudanças nas regras sobre propriedade intelectual, durante a conferência ministerial da OMC marcada para dezembro, em Hong Kong.Na próxima semana, em uma iniciativa bem mais ousada, Durão Barroso direcionará suas cobranças a Washington. "Estamos prontos a fazer concessões (em acesso a mercados agrícola e na eliminação de subsídios) se os outros parceiros também fizerem algumas concessões", afirmou Durão Barroso, hoje, à imprensa. "As negociações não são só agrícolas. Há uma parte também industrial, de serviços e de propriedade intelectual."Esse discurso é bem conhecido do governo brasileiro, que se mostra reticente a apresentar qualquer proposta mais favorável nesses setores durante as negociações enquanto não haja gestos concretos das economias mais desenvolvidas - justamente as que mais protegem e subsidiam o comércio Agropecuário.As aproximações de Durão Barroso vêm em um momento delicadodas negociações, quando os principais atores da OMC tentam quasedesesperadamente evitar o fracasso da reunião de Hong Kong, hipótese queporia uma lápide na Rodada Doha."O Brasil é um parceiro muito importante e, com certeza, ativo na defesa deseus interesses", declarou Durão Barroso, referindo-se também à liderança do País no G-20, o grupo que reúne as economias em desenvolvimento que defendem a ampliação do acesso de seus produtos agropecuários aos mercados desenvolvidos, a eliminação de subsídios à exportação de bens do setor e a redução das subvenções oficiais para agropecuaristas.Na próxima terça-feira, na Casa Branca, a conversa de Durão Barroso será como presidente dos Estados Unidos, George W. Bush. Espera-se um tom e umenfoque bem diferentes daqueles que manterá hoje com Lula. Nesse caso,trata-se de uma iniciativa para acertar os ponteiros entre os pesos-pesadosdo comércio internacional sobre a mesma questão agrícola, na qual mantémposições intervencionistas e protecionistas.Na última segunda-feira, na reunião de ministros de apenas 15 parceiros daOMC em Zurique, Suíça, os Estados Unidos apresentaram a proposta de cortar60% nos seus subsídios mais distorcidos ao comércio agrícola mundial. AUnião Européia, por sua vez, propôs 70%. Embora aparentemente volumosos,tais porcentuais não enganaram os negociadores dos países do G-20 presentesao encontro, que os consideraram ainda insuficientes. O corte proposto peloseuropeus significaria a diminuição de somente US$ 3 bilhões nos subsídiosque concedem anualmente - cerca de US$ 80 bilhões, nas estimativas daorganização Oxfam. O dos Estados Unidos resultaria na redução de US$ 6,4bilhões - de um total de US$ 19,1 bilhões. Durão Barroso ressaltou que "a economia mundial precisa de boas notícias" - daí a necessidade de "garantir o sucesso" da Rodada Doha e seus esforços de buscar o estreitamento das posições mais conflitantes na negociação. O líder europeu, entretanto, insinuou que as negociações de um acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Européia não seria tópico de suas conversas com Lula. Sua intenção seria concentrar-se na OMC e, de forma mais diplomática, em uma nova "estratégia" para as relações entre o bloco europeu e a América Latina, cujos chefes de Estado deverão se reunir em maio de 2006, em Viena, Aústria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.