Dutos comuns podem ser solução para gás no Cone Sul

O presidente peruano, Alejandro Toledo, considerou "extraordinária" a idéia de Argentina, Brasil, Chile e Uruguai possuírem uma rede conjunta de abastecimento de gás desde a jazida de Camisea, em seu país. Para tanto, ele propôs a criação de um grupo técnico para estudar a viabilidade do projeto.A proposta do "anel energético" foi apresentada a Alejandro Toledo pelos ministros de energia do Brasil, Dilma Rouseff, da Argentina, Julio de Vido, do Uruguai, Jorge Lepra, e do Chile, Rodrigues Grossi. A construção, que teria pouco mais de 1,2 mil quilômetros, se uniria a outros dutos já existentes, demandaria um investimento de US$ 2,5 milhões e permitiria, além de reduzir os custos de produção, diminuir os riscos ambientais, destacou Toledo.O gasoduto partiria do porto de Pisco, 300 quilômetros ao sul de Lima, onde termina um duto que chega de Camisea. Dali, seguiria até a região de Topicalla, no Chile, onde faria a conexão com a rede já existente entre Chile, Argentina, Brasil e Uruguai. Se concretizado, o projeto terá capacidade de transportar cerca de 8 milhões de pés cúbicos de gás diários.Toledo ressaltou que a proposta é uma notícia alentadora para a integração sul-americana porque permite a criação de um grande mercado que daria sustentação ao crescimento econômico da região.A idéia dos quatro países surgiu diante dos problemas políticos enfrentados pela Bolívia, tradicional exportador de hidrocarbonetos da América do Sul. Toledo sugeriu que a Bolívia se integre à comissão técnica a ser formada. "Creio que é prudente fazer isso e não vejo maiores dificuldades", disse, lembrando que já conversou sobre o assunto com o recém-empossado presidente boliviano, Eduardo Rodrigues.O presidente peruano rebateu as especulações de que a jazida de Camisea não teria capacidade de produção suficiente para abastecer mais esses parceiros - estão previstas exportações de gás também ao México e à Baixa Califórnia. "Temos o gás suficiente que os países vizinhos precisam", assegurou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.