Dúvida sobre Selic pressiona juros

Mercado alonga horizonte para volta do corte na taxa básica após dados de inflação e atividade acima do previsto

Denise Abarca, Claudia Violante e Silvana Rocha, O Estadao de S.Paulo

06 de dezembro de 2007 | 00h00

As Bolsas exibiram firmes altas em Nova York e São Paulo e o dólar à vista caiu, ontem, mas os juros futuros fecharam em alta na BM&F. A taxa para janeiro de 2010 avançou a 12,35% e, para janeiro de 2009, a 11,72%. A pressão refletiu os fortes aumentos da atividade industrial no País em outubro e também dos índices de inflação em novembro, que reforçaram as apostas na manutenção da taxa Selic pelo Copom em 11,25% ao ano por mais tempo do que se previa. Lá fora, o dia positivo foi garantido pela expectativa de que hoje à tarde o presidente George W. Bush deve anunciar medidas para ajudar os proprietários de imóveis que enfrentam dificuldades para pagar suas hipotecas. A Bovespa subiu 2,28%, aos 64.928 pontos. O dólar à vista caiu a R$ 1,797 na BM&F (-0,55%) e no balcão (-0,66%). O risco Brasil recuou 2,60%, a 225 pontos-base.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.