DVD: preços caem apesar da alta do dólar

Mesmo com a alta do dólar pressionando os custos dos produtos eletroeletrônicos em geral, o mercado de aparelhos de DVDs começa a caminhar para uma nova rodada de redução de preços. Os fabricantes alegam que o aumento da escala de produção, a queda mundial dos custos e a disputa por maiores fatias de mercado justificam a redução. Mas a concorrência e a perspectiva da entrada de novos modelos no mercado também têm pesado nesses cortes.A Philips, Panasonic e LG reduziram recentemente os preços e estão com modelos na faixa de R$ 500, abaixo da média de outros fabricantes. "Vamos brigar pela liderança do mercado no Brasil para depois buscar o mercado externo", diz o diretor de Marketing da LG, Mário Kudo. O novo aparelho da LG está chegando às lojas especializadas por R$ 549. No Natal, o DVD mais barato da LG custava em torno de R$ 800.A Philips, que recentemente anunciou reajustes nos produtos por causa da variação cambial, reduziu o preço do DVD, modelo básico, na semana passada, de R$ 749 para R$ 589. Segundo o vice-presidente da Philips Consumer Eletronics, Paulo Ferraz, o que está se fazendo é um repasse no Brasil de uma redução mundial de custos.A Panasonic corrigiu os preços em média 5%, por causa do dólar. Mas decidiu reduzir, os preços dos DVDs, a partir de abril. "O produto básico que custava R$ 699 vai ficar por volta de R$ 599 e o modelo top deve cair de R$ 849 para R$ 799", informa o diretor comercial da empresa, Rui Rodrigues Pena. Mas a redução é apenas por causa da concorrência. A Gradiente não cortou preços e ainda estuda uma estratégia de vendas para os próximos meses.Além do corte de preços nos últimos anos, os fabricantes de equipamentos têm investido em promoções conjuntas com distribuidoras e videolocadoras para atrair o consumidor. O mercado não pára de crescer. Dados da Eletros, representante dos fabricantes de eletroeletrônicos, mostram que a indústria em 2000 vendeu 194 mil DVDs, um aumento de 733% em relação a 1999. Nos últimos três anos, o crescimento foi de 1.840%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.