REUTERS/Dylan Martinez
REUTERS/Dylan Martinez

coluna

Luana Ozemela: Melhorar o acesso ao capital entre empresários negros é um imperativo econômico

Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

E agora, como fica o Brexit?

Theresa May venceu a revolta do partido e deve continuar como primeira-ministra, mas há incertezas sobre o futuro do Reino Unido

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2018 | 21h00

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, obteve nesta quarta-feira grande vitória, uma vez que o Partido Conservador rejeitou a moção de censura que colocou em discussão sua liderança. Isso significa que deve continuar como primeira-ministra pelo menos por mais 12 meses.

Mas a grande vitória política pode ser insuficiente para mudar o impasse em que se transformou o Brexit, o projeto de divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia. Depois de longas e intensas negociações, o resultado foi um pré-acordo que o Parlamento até agora se recusa a aprovar, sem que ninguém tenha apresentado proposta melhor.

O principal entrave é a fronteira entre as Irlandas. A Irlanda do Norte é território inglês. A Irlanda (do Sul), membro da União Europeia. Tratado de 1998, assinado depois de hostilidades que custaram milhares de vidas, garante livre fluxo de mercadorias e pessoas.

A solução encontrada foi um tapa-buraco provisório. Foi a definição de uma rede de segurança (backstop) que prevê controle sobre alguns produtos que atravessarem a fronteira, sem instalação de checagens rígidas. Essa decisão exigirá a criação de uma união aduaneira entre Reino Unido e União Europeia, regime que garante o livre fluxo da maior parte das mercadorias, mas atrela a política e o comércio exterior entre os dois lados. Ou seja, o Reino Unido fica impedido de negociar novos acordos comerciais com terceiros países e, além disso, tem de manter com eles o mesmo tratamento alfandegário adotado pela União Europeia. Os políticos ingleses têm razão em afirmar que a pretendida autonomia sai prejudicada. Além disso, trata-se de arranjo provisório que, sem outra solução, pode perpetuar-se e manter um quadro de incertezas que afugentam investimentos e derrubam a economia.

O Brexit tem de sair até 29 de março. Até lá, não há tempo para negociar outra saída. Se o plano May for rejeitado, sobram três opões. A primeira delas é a prorrogação do prazo de negociação. Mesmo se a União Europeia concordar com isso, será preciso saber que concessões relevantes até agora não arrancadas em um ano e meio de negociações podem ser obtidas. A segunda opção é a separação unilateral, sem acordo, com consequências econômicas desastrosas para o Reino Unido que, ademais, será obrigado a ativar a fronteira dura entre as Irlandas se quiser escapar do que os ingleses indignados chamam de “vassalagem à União Europeia”.

A terceira opção cada vez mais lembrada é a convocação de nova consulta popular. Mas consultar sobre o quê? Sobre se a população valida os termos desse pré-acordo ou sobre se desiste do Brexit, que irá empobrecê-la inexoravelmente? Mas o que fazer se for mantida a decisão da separação? Não foi essa a consulta feita em 2016 pelo então primeiro-ministro David Cameron, que desembocou no Brexit?

Essa confusão não se restringe à relação entre Reino Unido e União Europeia. O Brexit aconteceu porque, mais do que descontentes, a classe média inglesa está indignada com a perda de renda, a falta de perspectivas, a insegurança gerada por um Estado que promete, mas não entrega. E essa situação se espalha mundo afora. Foi a mesma indignação que elegeu Trump nos Estados Unidos, que enfraqueceu Angela Merkel na Alemanha, que deu força para movimentos nacionalistas xenófobos na França, na Espanha, na Áustria e por tantos países mais, inclusive no Brasil.

» Copom sem novidades

Como esperado, a última reunião do Copom deste ano manteve inalterados os juros básicos (Selic), em 6,5% ao ano. A evolução da inflação é boa surpresa da economia. Em novembro foi negativa (- 0,21%) e em dezembro deve oscilar em torno de zero por cento. De todo modo, deve fechar o ano abaixo dos 4,0%, portanto abaixo da meta de 4,5%. A menos que sobrevenham choques na economia, parece improvável uma alteração nos juros antes de setembro, uma vez que as expectativas estão ancoradas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.