E-bit prevê ganho de R$ 1 bi em vendas do Dia das Mães

As vendas relacionadas ao Dia das Mães devem movimentar R$ 1,055 bilhão neste ano, o que representa um crescimento nominal de 15% em relação ao mesmo período de 2012, segundo pesquisa da E-bit, empresa especializada em informações do comércio eletrônico. Entre 26 de abril é 11 de maio de 2013, cerca de três milhões de pedidos deverão ser feitos via internet.

VANESSA STECANELLA, Agencia Estado

23 de abril de 2013 | 18h04

Apesar da perspectiva positiva, a taxa é inferior ao crescimento de 25% estimado para o varejo online em 2013. "Uma das explicações é a aceleração da inflação sentida pelos consumidores no período, o que reflete redução na renda disponível para novas dívidas. Além disso, para aumentar a margem de lucro, muitas lojas estão reduzindo seus prazos de pagamento sem juros e diminuindo a oferta de frete grátis, influenciando na decisão de compra", observa Pedro Guasti, diretor geral da E-bit.

Um estudo realizado pelo Provar, da FIA, em parceria com a E-bit, aponta que a intenção de compra no varejo virtual, no segundo trimestre de 2013, está em 76,5%, o que significa uma queda histórica de 7,4 ponto porcentual, se comparada ao primeiro trimestre do ano. A diminuição é maior ainda em relação ao segundo trimestre do ano passado, chegando a 8,5 pontos.

Segundo a E-bit, as categorias mais vendidas no Dia das Mães serão: "Moda e Acessórios", "Perfumaria e Cosméticos" e "Telefonia/Celular". De acordo com o Buscapé (www.buscape.com.br), maior site de comparação de preços da América Latina, a diferença nos preços de produtos dessas categorias pode chegar a 485%.

Já no segmento de compras coletivas, o SaveMe (www.saveme.com.br), maior agregador de ofertas online, prevê que a categoria mais vendida será a de viagens. "Isso porque é um ótimo presente para a família toda", comenta Guilherme Wroclawski, sócio fundador do SaveMe. A empresa criará um hotsite especial para a data.

Tudo o que sabemos sobre:
E-bitfaturamentoDia das Mães

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.