Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

É cedo para discutir saída do programa de estímulo

O presidente do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês), Harukiko Kuroda, afirmou nesta segunda-feira que ainda é cedo para discutir quando o banco central vai reduzir o seu programa de estímulo.

AE, Agencia Estado

21 de outubro de 2013 | 05h45

Questionado sobre como o BOJ vai encerrar a sua flexibilização agressiva e quais os efeitos secundários que essa medida pode causar, Kuroda disse que a estratégia pode mudar dependas das condições econômicas e da Bolsa de Tóquio.

"As condições do mercado financeiro também influenciam na flexibilização. Eu acho que não é apropriado fazer comentários específicos sobre isso neste ponto", disse Kuroda.

Em seu discurso, o presidente do BoJ observou que o sistema financeiro do Japão permanece estável e que o ambiente financeiro continua acomodatício.

Kuroda repetiu o mantra de que o BOJ que continuará com a flexibilização quantitativa e qualitativa, com o objetivo de alcançar a estabilidade de preços e a inflação em 2%. Fonte: Market News International.

Tudo o que sabemos sobre:
japãobojkuroda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.