Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

'É dinheiro na veia do povo', diz Guedes sobre programas de transferência de renda

Em encontro com parlamentares, ministro deixou a agenda liberal de lado, não citou cortes e defendeu medidas como o auxílio emergencial e o Renda Cidadã, criados pelo governo Bolsonaro

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2020 | 05h00

BRASÍLIA - O ministro da Economia, Paulo Guedes, embarcou no projeto de reeleição do presidente Jair Bolsonaro. Com um estilo mais alinhado à política, Guedes deu sinais de que arquivou a agenda liberal e empunhou a bandeira de “pai dos pobres” após o presidente recuperar a popularidade com a concessão do auxílio emergencial. “É dinheiro na veia do povo”, disse ele, em recente almoço com líderes de partidos.

A reunião ocorreu na casa do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (Progressistas-PR), no último dia 22, e contou com a presença de dirigentes do Centrão, grupo de centro-direita que dá as cartas no Congresso. O homem que tem a chave do cofre falava do Renda Cidadã, plano anunciado oficialmente seis dias depois, e na necessidade da “aterrissagem suave” do auxílio criado para combater os efeitos da pandemia do coronavírus. A ajuda, que já foi de R$ 600, está em R$ 300, e termina em dezembro.

Naquele dia, Guedes deixou convidados impressionados ao citar até mesmo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Foi justamente no momento em que ele se referiu à importância de um robusto programa de transferência de renda, como o Bolsa Família, criado na gestão de Lula. O titular da Economia não insistiu ali na aprovação de medidas mais duras.

Quem participou da conversa teve a nítida impressão de que o governo jogou a toalha em relação às reformas para se dedicar com afinco ao projeto 2022, ano da eleição presidencial. Estavam lá, entre outros, os líderes do Progressistas, Arthur Lira; do PL, Wellington Roberto; do PSD, Diego Andrade, e do MDB, Baleia Rossi, que também preside o partido. No cardápio, peixe, carne, purê, salada mista e muitas dúvidas. 

Sem acordo

Guedes até tentou ressuscitar naquele encontro, mais uma vez, a proposta de um novo imposto, nos moldes da antiga CPMF, para encaixar na reforma tributária. Percebeu, porém, que não tinha apoio e não prolongou a discussão.

“Não há consenso sobre o novo imposto para desonerar a folha de pagamentos e tributar as transações digitais”, admitiu Barros. Ao Estadão, o líder do governo na Câmara disse que organizará outros almoços com o chefe da equipe econômica para facilitar a articulação política com o Congresso.

“O ministro Guedes é um dos mais influentes e tem uma agenda complexa. Sua opinião é forte no governo e todos querem ouvi-lo”, afirmou Barros. Questionado sobre a expressão “dinheiro na veia” usada por Guedes, o deputado desconversou. “Eu não falo de bastidor”.

Em postagem publicada no Twitter, ontem, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), deu uma estocada no ministro da Economia, com quem rompeu relações após vários atritos públicos. “Por que Paulo Guedes interditou o debate da reforma tributária?”, perguntou Maia.

Antes, o próprio Bolsonaro já havia usado as redes sociais para reagir às críticas sobre a proposta do governo de tirar recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental (Fundeb) e de precatórios – valores devidos após sentença definitiva na Justiça –, com o objetivo de financiar o Renda Cidadã.

“Minha crescente popularidade importuna adversários e grande parte da imprensa, que rotulam qualquer ação minha como eleitoreira. Se nada faço, sou omisso. Se faço, estou pensando em 2022”, escreveu Bolsonaro. "A responsabilidade fiscal e o respeito ao teto são os trilhos da economia. Estamos abertos a sugestões juntamente com os líderes partidários".

Arthur Lira disse que o Palácio do Planalto está “totalmente ciente” das dificuldades para aprovar o financiamento do Renda Cidadã com recursos do Fundeb. “Mas o ministro Guedes está muito bem. Quer espaço fiscal no Orçamento para não furar o tal do teto (de gastos). Ele está próximo de nós”, elogiou Lira, um dos principais expoentes do Centrão.

Pesquisa Ibope encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostrou que a popularidade de Bolsonaro aumentou neste mês, em comparação com dezembro do ano passado. Atualmente, a fatia da população que considera o governo “ótimo ou bom” é de 40%, 11 pontos a mais do que em dezembro (29%). Trata-se do maior índice desde o início do mandato do presidente.

Além disso, a avaliação positiva do governo subiu no Nordeste (de 21% para 33%), antigo reduto do PT. A região concentra 38% dos beneficiados pelo auxílio emergencial, conforme dados do Ministério da Cidadania.

A percepção de que Guedes cedeu à agenda populista para sobreviver e se manter no cargo, até mesmo em eventual segundo mandato, não é apenas de políticos, mas também do mercado financeiro, segundo apurou o Estadão. O ministro não quis se manifestar.

Integrantes da equipe econômica afirmam que Guedes nunca mudou o tom e sempre defendeu o tripé “transferência de renda, pacto federativo e desoneração da folha de pagamentos”. Em agosto, porém, um mês após a saída de Mansueto Almeida do Tesouro Nacional, ele enfrentou uma “debandada” de auxiliares que não concordavam com os rumos do governo. Pediram demissão Salim Mattar, secretário de Desestatização, e Paulo Uebel, de Desburocratização. Mattar cuidava das privatizações e Uebel, da reforma administrativa. Nada disso saiu do papel. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.