DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

É fundamental que se faça reforma da Previdência agora, diz Temer

Presidente também incluiu a simplificação do sistema tributário e a reforma política no bojo das reformas consideradas como fundamentais

Eduardo Laguna, André Ítalo Rocha e Marcelo Osakabe, O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2017 | 14h12

SÃO PAULO - O presidente Michel Temer (PMDB) defendeu hoje a aprovação, que classificou como "imperiosa", da reforma da Previdência entre as medidas de reequilíbrio das finanças públicas.

"Num País em que o déficit previdenciário chegará neste ano a R$ 184 bilhões e deve alcançar R$ 205 bilhões em 2018, se não fizermos essa reforma, será dificílimo enfrentar os próximos anos", afirmou o peemedebista, acrescentando que, sem a medida, quase todo o orçamento do governo ficará comprometido com a Previdência e o pagamento de servidores. "É fundamental que se faça [a reforma da Previdência] agora", complementou o peemedebista em discurso na abertura do congresso da Fenabrave, entidade que representa as concessionárias de automóveis.

Antes de Temer, tanto o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, quanto o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, já tinham manifestado apoio às mudanças nas regras de aposentadoria, também defendidas nos discursos dos representantes do setor automotivo que participaram da solenidade.

"Reformar a Previdência hoje é prever o futuro", frisou Temer. O presidente também incluiu a simplificação do sistema tributário e a reforma política no bojo das reformas consideradas como fundamentais de um governo que, segundo ele, está "reformulando" o Brasil. Também ressaltou a necessidade de se apoiar a iniciativa privada, de onde saem os empregos e os investimentos.

+'Reforma da Previdência não será tão abrangente', diz Michel Temer

"O combate ao desemprego se dá pelo incentivo da atividade privada. Uma das nossas tarefas é mudar a cultura no Brasil. Muita gente critica o desemprego mas combate a produção", comentou Temer. Segundo ele, o Estado não consegue prosperar sem transferir várias atividades ao setor privado. "Temos prestigiado a iniciativa privada."

Temer citou no discurso a dificuldade enfrentada no início de seu governo na tramitação da proposta de emenda constitucional, aprovada pelo Congresso, que estabeleceu um teto aos gastos públicos, chamada de "PEC da morte" pela oposição. Ele destacou que o orçamento deste ano, feito sob a nova regra, ampliou os investimentos em saúde e educação, ao contrário do que diziam os opositores.

Também em resposta à oposição, Temer rebateu criticas à falta de debate na tramitação da reforma trabalhista - feita, conforme o presidente, após diálogo com empresários e trabalhadores -, assim como afirmou que a reforma do ensino médio é aprovada por 95% dos setores educacionais.

Mais conteúdo sobre:
Michel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.