"É inacreditável essa taxa", reclama presidente da Fiesp

Foi com a frase acima que o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Horácio Lafer Piva, reagiu à decisão do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) de reduzir em apenas 1,5% a taxa de juros básicos, que passa agora a ser de 24,5% ao ano. Entrevistado no programa ?Conta Corrente?, da Globo News, Lafer Piva prosseguiu com suas queixas: "Eu não sei o que Brasil faz com as pessoas para acharem que isso é razoável. Não tem nada de razoável, foi tudo muito pouco ousado." Números que assustam Para o presidente da Fiesp, o Brasil está passando por um momento de enorme constrangimento, bastando para tanto olhar para a taxa de desemprego, para o nível de estoque das empresas e para a renda média do trabalhador, o que afasta qualquer risco de inflação de demanda. Segundo Lafer Piva, havia espaço para uma queda mais acentuada da Selic, bem como para a redução do compulsório dos bancos, o que serviria para irrigar a economia. "Essa coisa de sempre jogar com o médio e o longo prazo, dizendo que a taxa vai cair lá na frente, é matar as pessoas que estão aí, hoje, em férias coletivas e desesperadas com o que pode acontecer com o seu emprego amanhã. Estamos perdendo oportunidade desde maio e estamos matando a galinha de ovos de ouro, que é a produção deste País."

Agencia Estado,

24 Julho 2003 | 08h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.