É mais fácil fazer política monetária hoje, destaca Greenspan

O presidente do Federal Reserve (banco central norte-americano), Alan Greenspan, disse que a atual política monetária da instituição, voltada para a estabilidade econômica, é muito mais fácil de implementar do que a política de 25 anos atrás, quando havia uma economia débil e a resistência do público dificultava medidas cruciais do Fed para conter a inflação.Greenspan afirmou que quando assumiu a presidência do Fed, em 1987, a tarefa da instituição, de proteger o poder de compra da moeda e de promover o maior nível de emprego sustentável, havia se tornado mais fácil por causa da perseverança e do sucesso da instituição sob seu presidente anterior, Paul Volcker."Manter um ambiente de estabilidade é mais simples do que restaurar a fé do público na solidez de nossa moeda. A tarefa fica mais fácil ainda se nos lembramos das grandes diferenças entre as perspectivas de longo prazo de nossa economia agora, em nosso ambiente atual de estabilidade, e há 25 anos, antes das reformas daquele outubro", disse o presidente do Fed.RetrospectivaLogo depois de assumir como presidente do Fed, em agosto de 1979, Paul Volcker supervisionou um aperto da oferta monetária e de crédito que levou as taxas de juro para cima; o que se seguiu foi uma recessão severa.Para Greenspan, olhando retrospectivamente, a decisão tomada pelo Fed em 6 de outubro de 1979 "foi a solução óbvia e necessária para os problemas do país", mas, na época, a alta do desemprego e a recessão que se seguiram colocaram o Fed sob pressão para reverter a direção, disse Greenspan.Ele acrescentou que a "psicologia inflacionária" do público havia complicado os esforços para restaurar um senso de estabilidade econômica, mas que os dirigentes do Fed haviam compreendido as conseqüências adversas no longo prazo de comprometer o poder de compra da moeda em nome do bem-estar econômico no curto prazo."De fato, no fim dos anos 1970, emergiu gradualmente o consenso de que a inflação destruía empregos, ao invés de facilitar sua criação", acrescentou. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.