Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

'É o momento de segurar despesas', diz gerente de compras

Marcelo Murilo Carraca, 68 anos, gerente de compras

Entrevista com

O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2014 | 02h04

"Na nossa empresa de telefonia celular, sentimos uma queda de 40% nas vendas em maio na comparação com 2013. A queda ocorreu por causa da Copa, mas também em razão das manifestações e do medo da inflação. O que vendeu até agora foi alimento e bebida. É a hora de trabalhar. Tenho de arrumar alguma maneira de levar o cliente para a loja. Fazemos campanha, oferta. Smartphone continua bem, mas sentimos a caída. Não acho que ainda estamos em crise, mas caminhamos para alguma coisa parecida. Não acho que seja recessão, mas dificuldade. A eleição de outubro afeta muito o humor das pessoas. Acho que vai ter algum número bloqueado de inflação e vai aparecer depois da eleição. Na minha empresa estamos cautelosos, segurando contratações maiores. Por causa da queda nas vendas, caiu o meu ganho variável. Não troquei a TV para a Copa, procurei segurar um pouco as compras. Antigamente, quando havia reuniões em casa para assistir aos jogos eu comprava tudo. Agora divido com os meus genros. Planejava ir para o Chile, mas cortei a viagem. Agora é momento de segurar as despesas. É uma poupança forçada. Viagem, tô fora."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.