É possível discutir pré-sal em 90 dias, diz Tolmasquim

Presidente do EPE julga que o "debate foi estendido à toda a sociedade pelos jornais"

AE,

04 de setembro de 2009 | 13h06

O presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, disse nesta sexta-feira, 4, ser "perfeitamente possível" que o Congresso discuta e aprove as regras do pré-sal num prazo máximo de 90 dias. Segundo ele, apesar de a elaboração das regras ter ficado restrita à Comissão Interministerial, o "debate foi estendido à toda a sociedade pelos jornais". "Houve muito pouca surpresa no que foi anunciado. Praticamente tudo já vinha saindo nos jornais e estas notícias foram acompanhadas por análises de especialistas", comentou.

 

Veja também:

especialO novo marco regulatório do petróleo

especialO caminho até o pré-sal

especialMapa da exploração de petróleo e gás 

 

Indagado sobre as críticas das indústrias de que não foram convidadas para participar das discussões sobre o tema, Tolmasquim retrucou, usando mais uma vez o exemplo dos debates via imprensa: "A indústria tem dado opiniões ao longo do processo e poderá fazer isso também no Congresso. O tempo estipulado em 90 dias é suficiente para se discutir e fazer alterações. Não precisa de um tempo muito longo para que as entidades se manifestem", comentou, em entrevista coletiva após participar de seminário sobre energia promovido pela Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec) na Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

 

Tolmasquim também rebateu críticas ocorridas durante o evento de que o pré-sal ofereceria uma concorrência desleal ao etanol. Ele lembrou que o Brasil já é autossuficiente e que a maior parte do petróleo produzido no País a partir do pré-sal será exportada (direta ou indiretamente, via subprodutos refinados e petroquímicos processados em território nacional). "O etanol é competitivo em relação à gasolina, mesmo que petróleo caia a até US$ 40 no mercado internacional. O País tem política de manter preços internos atrelados ao mercado internacional. É difícil imaginar que o barril caia a estes valores", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
pré-salTolmasquimEPE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.