‘É possível trazer a inflação para a meta com a economia crescendo’, diz Tombini

Em entrevista ao ‘Estado’, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, defende a estratégia da instituição para levar a inflação de volta para a meta de 4,5% em 2012  

Leandro Modé e Raquel Landim, de O Estado de S. Paulo, e Beatriz Abreu e Marisa Castellani, da Agência Estado,

18 de junho de 2011 | 19h06

SÃO PAULO - O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, marca seus primeiros seis meses de gestão recorrendo constantemente ao verbo moderar e suas variações. E é assim, com moderação, que ele afirma ter certeza de que é possível controlar a inflação e, ao mesmo tempo, permitir o crescimento econômico. Dessa forma, pontua uma discussão que, no governo passado, causou sérias crises entre o BC de Henrique Meirelles e o Ministério da Fazenda de Guido Mantega.

"O Banco Central reconhece que é possível trazer a inflação para a meta crescendo", afirmou. "Isso tem acontecido e acontecerá. Levaremos a inflação de volta à meta de 4,5% em 2012 com a economia brasileira crescendo."

Em entrevista concedida sexta-feira à tarde ao Estado, à Agência Estado e à rádio Estadão ESPN, o presidente do BC deixou claro que a área econômica do governo Dilma Rousseff trabalha em sintonia. O que não significa uma ameaça à autonomia operacional da instituição.

"A presidente dá o comando. E o comando dela tem sido muito claro no sentido de que as políticas do governo sejam adotadas, ajustadas, para assegurar a estabilidade monetária, a inflação na meta", disse. O IPCA, índice que serve de referência para o sistema de metas no País, acumula alta de 6,55% em 12 meses, acima do teto estabelecido pelo governo, que é de 6,50% (o centro é de 4,50%).

Durante uma hora de conversa, Tombini frisou que "o BC não está sozinho" na tarefa de combater a inflação. "Temos hoje uma estratégia de governo, consistente e abrangente, de moderação do crédito e de ajuste fiscal e monetário." A propósito especificamente do crédito, o presidente do BC descartou a existência de uma bolha no Brasil, hipótese que foi recentemente levantada por alguns analistas internacionais. "Trabalhamos cotidianamente para que não ocorram excessos que levem a um risco sistêmico, a uma bolha que estoure lá na frente."

Outro foco de atenção do governo e do BC, disse, é a entrada de capitais estrangeiros no País, que valoriza o real e expande o crédito. "Temos trabalhado com um conjunto de instrumentos para fazer com que o Brasil não aproveite inocentemente a ampla liquidez internacional."

Tombini afirmou que o ministro da Fazenda é ouvido pelo BC. "O Banco Central escuta o mercado, a sociedade, mesmo nas decisões em que tem competência exclusiva. Mas quem decide, por exemplo, sobre taxa de juros é o Comitê de Política Monetária. Nesse processo, como qualquer outro banco central, ouve especialistas e, naturalmente, o ministro da Fazenda."

Leia aqui os principais trechos da entrevista.

 

Tudo o que sabemos sobre:
TombiniBanco Centralinflaçãojuro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.