seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

'É preciso mudar a estratégia para a economia', diz José Júlio Senna

Para ex-diretor do BC, governo tem de abandonar a política de 'microgerenciamento' da economia

Entrevista com

IRANY TEREZA / RIO , O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2013 | 02h08

Classificando como muito bom, porém transitório, o ganho dos investimentos constatado nos dados do PIB do primeiro trimestre, o economista José Júlio Senna, chefe do Centro de Estudos Monetários do FGV/IBRE, afirma que a decisão do Banco Central foi correta. Para ele, postergar a alta de juros seria pior. "Mais adiante, custa mais caro. É como adiar a ida ao dentista."

Diante do desempenho fraco do PIB, o que esperar em relação à política monetária?

Não é de hoje que a economia brasileira perdeu dinamismo. Estímulos pesados têm sido dados à atividade econômica, sem resultado satisfatório. Está em vigor uma política de microgerenciamento da economia que não produz resultado. O bom senso sugere que se mude a estratégia. É preciso dar mais liberdade às forças produtivas. O governo precisa agir sobre a oferta da economia.

Qual deveria ser a política econômica adotada?

Diante dos fracos dados do PIB, o BC não deveria recuar da intenção manifestada nas duas últimas semanas, de elevar o ritmo de alta da taxa de juro. Primeiro, as expectativas de inflação se mostram desancoradas. No mercado chegam a 5,8% para 2014. É preciso conter e reverter esse processo. Segundo, quando se abre mão do uso do instrumento clássico de combate à inflação, que é a taxa de juro, acaba-se recorrendo a inúmeros artifícios não apenas ineficazes mas prejudiciais ao funcionamento da economia. Terceiro, a experiência mostra que não se consegue evitar aumento de juros para derrubar a inflação. Tal movimento é apenas postergado. Mais adiante, ele custa mais caro. É como adiar a ida ao dentista. A situação só piora. A decisão de elevar 0,5 ponto porcentual é correta.

O investimento verificado reflete recuperação industrial?

O número em si é muito bom, mas não dá para comemorar. Os fatores que prejudicaram os investimentos no passado recente continuam presentes, não sendo possível extrapolar esse número para os próximos trimestres. A estatística divulgada foi muito influenciada pelo que ocorreu no setor de equipamentos de transporte, particularmente no segmento de caminhões. O ganho foi de natureza transitória. O microgerenciamento dá sinais errados para os empresários, pois indica que o caminho do sucesso depende de ações governamentais. O empresário não se sente estimulado a inovar, ou a adotar técnicas produtivas mais modernas. Acaba tentado a buscar proteção governamental. Os esforços vão no sentido errado.

Qual o setor mais preocupa?

São muitas as preocupações. O setor agropecuário cresceu substancialmente, mas o resultado não se repetirá no restante do ano. A indústria tem mostrado um comportamento excessivamente volátil. Nesse último trimestre, andou para trás. O setor de serviços cresceu bem, no passado recente, mas esse processo parece próximo do fim. Nem mesmo as exportações têm ajudado, devido ao problema de competitividade e à demanda fraca no exterior. Com o que vimos até agora, o crescimento do PIB provavelmente ficará mais perto de 2,5% no ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.