É ruim o clima econômico no Brasil, segundo a FGV

O clima econômico no mundo é muito melhor do que na América Latina - e na região o Brasil registrou a maior queda entre os 11 países pesquisados, segundo pesquisa do instituto alemão Ifo e da FGV, relativa ao trimestre fevereiro/abril. No período, o pessimismo aumentou tanto que o Brasil ficou atrás da Argentina num conjunto de quesitos que levam em conta não só a situação atual, mas as expectativas. É possível que a percepção contenha exageros, mas foi o que predominou nas respostas dos 1.134 especialistas de 121 países consultados em abril.

O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2014 | 02h03

Num gráfico em que 100 pontos é o termo médio, o Índice de Clima Econômico (ICE) mundial caiu de 114 pontos para 113 pontos na comparação entre o trimestre novembro de 2013 a janeiro de 2014 e o trimestre fevereiro/abril de 2014, enquanto o ICE da América Latina caiu de 95 pontos para 90 pontos. O ICE do Brasil desceu de 89 para 71 pontos (- 20%), "o pior desde janeiro de 1999", segundo a Sondagem, da FGV.

Que a América Latina perdeu posição no mundo, enquanto os Estados Unidos e a Europa voltam a se recuperar, não há o que questionar. Mas a deterioração da posição brasileira deveu-se à falta de compromisso do governo com a meta de inflação de 4,5% ao ano e com a insuficiência do superávit primário para manter a dívida pública em queda, disse a pesquisadora Lia Valls, do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV). O cenário é "nebuloso", mas "a formação de expectativas depende de sinalizações claras", enfatizou.

Na América Latina, a pontuação brasileira só foi melhor que a da Venezuela. Ficou 4 pontos abaixo da da Argentina. Seis países estão no campo positivo, com destaque para a Bolívia, a Colômbia, o Peru e o Paraguai. No bloco dos cinco que estão no campo negativo ingressaram o Chile e o México.

Consumo, investimentos, juros, inflação, balança comercial e taxa de câmbio são as principais questões da pesquisa, que se divide entre Situação Atual (ISA) e Expectativas (IE). Na América Latina, o IE é melhor do que o ISA. Na média de situação atual e expectativas dos últimos quatro trimestres o Brasil figurou em 9.º lugar, acima apenas de Argentina e Venezuela.

No momento, é baixa a confiança na política econômica do País - e a competitividade internacional é a menor da região. O fluxo de recursos externos sugere que o Brasil continua atraindo investidores, mas nem por isso o governo deveria ignorar o alerta da Sondagem da FGV.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.