''É uma bomba-relógio'', diz ONU

"A alta nos preços dos alimentos é uma bomba-relógio", afirmou ontem Ban Ki-Moon, secretário-geral da ONU. Segundo ele, a crise pode ter impacto na segurança mundial. Apesar de se dizerem preocupados com o impacto da alta dos alimentos no mundo, os líderes dos países ricos deixam a ONU em crise. A entidade precisa de um orçamento adicional de US$ 500 milhões para alimentar a população dos países pobres. Mas só recebeu US$ 14 milhões até agora. Se esses recursos não chegarem até junho, a ONU será obrigada a interromper a distribuição de alimentos para alguns países pobres. A Unicef também afirma estar preocupada. "Um dos riscos é que, com a alta nos preços dos alimentos, famílias decidam retirar seus filhos da escola e concentrar toda suas energias e para se alimentarem", relatou a porta-voz da Unicef, Veronique Taveau. "Isso é tudo o que não queremos ver nesse momento."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.