Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

EBX recebe licença ambiental para construir porto no Chile

Investimento estimado em R$ 300 milhões vai auxiliar negócios de mineração e de carvão do grupo no país

Nicola Pamplona / RIO, O Estado de S.Paulo

24 de dezembro de 2010 | 00h00

A MPX e a MMX, empresas de energia e mineração do grupo EBX, de Eike Batista, anunciaram ontem a obtenção de licença ambiental para a construção de um porto no Chile, investimento estimado em US$ 300 milhões. O terminal deve entrar em operação em 2013, com três berços de atracação independentes e capacidade para movimentar 6 milhões de toneladas de carvão e 10 milhões de toneladas de minério de ferro por ano.

O projeto tem características semelhantes aos empreendimentos do grupo no Brasil, como o Porto Sudeste, nos quais as empresas do grupo prestam serviços entre si. O porto chileno, operado pela empresa OMX, vai movimentar minério da mina da MMX em fase de implantação no País e carvão para uma térmica da MPX a ser instalada no local, em fase de licença ambiental, com capacidade de 2,1 mil MW.

A área do porto está localizada a 80 quilômetros do município de Copiapó, 800 quilômetros ao norte de Santiago, onde está a mina da MMX. Segundo a empresa, a mina está em fase de exploração, o que deve levar dois anos. "Logística é o componente chave de qualquer sistema de minério de ferro", afirmou, em nota oficial, o presidente da MMX, Roger Downey.

"A licença do porto é uma conquista importante no desenvolvimento dos nossos 10 milhões de toneladas por ano no projeto no Chile, que será, portanto, um dos mais competitivos incrementos de oferta no mercado transoceânico", completou o executivo. Além de minério e carvão, terá instalações para armazenamento de grãos e cobre.

"A implantação do porto garantirá custos logísticos competitivos e suprimento eficiente de carvão para a termelétrica Castilla. Com capacidade de até 2100 MW (megawatts), Castilla é uma dos maiores projetos em licenciamento atualmente no Chile e importante plataforma de crescimento para a MPX no país", declarou o presidente da MPX, Eduardo Karrer.

Dependente do gás exportado pela Argentina, o Chile é um país que passa frequentemente por problemas de abastecimento de energia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.