Economia alemã se estabilizou no 1º tri após fraqueza no final de 2012

A economia alemã se estabilizou no primeiro trimestre, depois de ter contraído no final do ano passado, disse o Ministério das Finanças nesta segunda-feira, embora o consumo não tenha se recuperado de forma significativa.

MICHELLE MARTIN, Reuters

22 de abril de 2013 | 07h34

A maior economia da Europa, que se manteve bem durante os dois primeiros anos da crise de dívida na zona do euro, sentiu o impacto da demanda fraca no bloco monetário no último ano.

A maioria dos economistas, entretanto, espera que o país tenha crescido ligeiramente no primeiro trimestre deste ano, evitando uma recessão, que é definida por dois trimestres consecutivos de queda trimestral do Produto Interno Bruto (PIB).

"Após uma contração significativa no final do ano passado, a atividade econômica geral na Alemanha provavelmente se estabilizou no primeiro trimestre", disse o Ministério das Finanças em seu relatório mensal.

O PIB alemão encolheu 0,6 por cento no último trimestre do ano passado em relação aos três meses anteriores, uma vez que as empresas realizaram menos investimentos e o comércio desacelerou.

"Olhando para os indicadores econômicos reais, parece que a indústria alemã ainda não superou completamente uma fase fraca", disse o ministério em seu relatório.

"Mas uma série de dados econômicos indica uma retomada de força da economia no resto do ano", completou o ministério, citando uma estabilização das encomendas industriais e indicadores de confiança otimistas.

O governo estima que a economia vai expandir 0,4 por cento neste ano, metade do crescimento de 0,8 por cento previsto pelos principais institutos econômicos do país. O crescimento alemão desacelerou para 0,7 por cento no ano passado.

A Alemanha divulgará os dados preliminares do PIB do primeiro trimestre em 15 de maio.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROALEMANHAECONOMIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.