Economia americana tem o melhor desempenho desde 2003

Economia cresceu 4,9% no 3º trimestre (taxa anualizada). No final do ano, esta taxa deve cair

Regina Cardeal, da Agência Estado,

20 de dezembro de 2007 | 12h03

O governo manteve inalterada sua estimativa de crescimento econômico no terceiro trimestre, afirmando que o ritmo foi o mais forte em quatro anos, embora o setor de moradia tenha tido desempenho pior do que o anteriormente estimado. O PIB subiu 4,9%, taxa anualizada, entre julho e setembro, mais do que sua já sólida performance de 3,8% no segundo trimestre, informou o Departamento do Comércio. Há um mês, o departamento havia estimado o crescimento do PIB também em 4,9%.  O número final marca o melhor desempenho trimestral desde os 7,5% no terceiro trimestre de 2003. Mas o crescimento do PIB no trimestre atual, de outubro a dezembro, deve ser bem menor. A primeira estimativa do quarto trimestre do PIB sai em 30 de janeiro. A estimativa média dos 13 economistas ouvidos pela Dow Jones era de aumento de 5% no terceiro trimestre.  Os lucros corporativos após impostos foram mantidos inalterados no terceiro trimestre. O dado mostrou lucro inalterados, em US$ 1,153 trilhão, em relação ao segundo trimestre. Os lucros no segundo trimestre cresceram 5,2%. Na comparação ano a ano, os lucros subiram 2,7% desde o terceiro trimestre de 2006.  Os investimentos fixos residenciais, componente do PIB que inclui gastos com habitação, despencaram 20,5% no terceiro trimestre, queda maior do que os 19,7% estimados anteriores. Os gastos no segundo trimestre caíram 11,8%. A queda tirou 1,08 ponto percentual do PIB no terceiro trimestre. Anteriormente, o Departamento do Comércio havia estimado a queda em 1,03 ponto. O declínio de 20,5% foi o maior desde os 21,7% no primeiro trimestre de 1991.  Componentes O maior componente do PIB, gastos com consumo, aumentaram 2,8%, acima do 2,7% estimado anteriormente. Os gastos no segundo trimestre subiram 1,4%. Os gastos com consumo respondem por cerca de 70% de toda a atividade econômica nos EUA. A contribuição foi de 2,01 ponto percentual para o PIB no terceiro trimestre. Isto ficou acima da contribuição de 1,88 ponto percentual estimada anteriormente.  Os gastos com serviços no terceiro trimestre foram mantidos em crescimento de 2,8%. As compras de bens duráveis cresceram 4,5%, acima do ganho estimado anteriormente em 4%. Os estoques das empresas cresceram US$ 30,6 bilhões no terceiro trimestre; anteriormente o aumento havia sido estimado em US$ 32,9 bilhões. No segundo trimestre, os estoques cresceram US$ 5,8 bilhões.  O comércio internacional deu um estímulo um pouco maior ao PIB do que o estimado anteriormente. As exportações cresceram 19,1%, de 18,9% da estimativa anterior. As importações aumentaram 4,4%, de 4,3% estimados anteriormente. O comércio adicionou 1,38 ponto porcentual ao PIB, de 1,37 da estimativa anterior. No segundo trimestre, os exportações cresceram 7,5% e as importações caíram 2,7%.  O índice de preço de consumo pessoal subiu 1,8% no terceiro trimestre, ante 1,7% estimado anteriormente, mas abaixo da alta de 4,3% do segundo trimestre. O indicador excluindo alimentos e energia subiu 2%, ante 1,8% estimado anterior e acima da alta de 1,4% do segundo trimestre. As informações são da agência Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
PIB americano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.