Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Economia brasileira cresceu 7,8% em 2010, mas esfriou no fim do ano

IBC-Br, índice do BC que antecede dados oficiais do IBGE, mostra que a economia teve desempenho estável em dezembro em relação a novembro

Fabio Graner, O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2011 | 00h00

A economia brasileira cresceu em torno de 7,8% no ano passado, mas já rodava a um ritmo menor e mais próximo de sua capacidade de expandir sem pressionar a inflação no último trimestre. É o que apontou ontem o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), que fechou o mês de dezembro em 140,6 pontos, praticamente estável ante novembro, já com os ajustes de fatores típicos do período.

O IBC-Br é um indicador antecedente do resultado do Produto Interno Bruto (PIB), que vem sendo divulgado pelo Banco Central desde 2010.

Olhando-se apenas os dados do último trimestre de 2010, o IBC-Br mostra que houve crescimento, na média, de 1,02% ante o terceiro trimestre do mesmo ano. Em termos anualizados, essa taxa representa pouco mais de 4% de alta. Isso evidencia uma aceleração no fim do ano em comparação com o ritmo dos três meses anteriores, quando o crescimento sobre o segundo trimestre foi de apenas 0,3%.

Na comparação com o quarto trimestre de 2009, o IBC-Br apresentou, na média, alta de 5%, taxa abaixo do resultado do ano, que ainda mostra um ritmo de crescimento econômico significativo da economia brasileira.

Os resultados apontados pelo indicador do BC, segundo economistas ouvidos pelo Estado, já sinalizam que o País entrou em uma rota de crescimento menos intensa e não colocará em risco os índices de inflação, o que pode representar menor carga de juros pelo Comitê de Política Monetária (Copom), que se reúne no início de março.

"Algo acontecendo". O professor de economia da Universidade de São Paulo, Fábio Kanczuk, disse que esperava um resultado muito forte no quarto trimestre, até por causa do fraco desempenho nos três meses anteriores. "Mas os números mostram a economia andando mais lentamente do que se imaginava", afirmou. Ele projeta um aumento do PIB de 3,5% em 2011.

Para ele, é possível que as medidas macroprudenciais tenham impactado a economia em dezembro, afetando o IBC-Br. O professor considera que os dados de janeiro servirão para consolidar tal percepção.

"Já tem algo acontecendo. A economia está trabalhando em nível mais próximo do seu potencial." Kanczuk diz que, ante esse quadro, o BC pode fazer um ajuste menor que o antecipado na Selic - os analistas esperam que os juros saiam dos atuais 11,25% para 12,5% ao ano -, de modo a evitar que a economia não desacelere demais.

Juros. O ex-diretor do BC Carlos Thadeu de Freitas concorda que a situação permite antever um ajuste menos intenso da Selic. "O IBC-Br já mostra a economia se desacelerando, por isso o ciclo de juros deve ser mais curto." Na sua visão, a indústria tem mostrado enfraquecimento e o comércio, com base nos resultados de dezembro, exibe um ritmo menos intenso. Além disso, o governo está atuando para conter a expansão com aperto fiscal, monetário e creditício.

"O crescimento econômico mudou de faixa. A partir de agora está mais na casa dos 4%, o que não é um resultado ruim, já que o País cresceu demais em 2010", afirmou Freitas. Ele destaca que o real valorizado deve manter o estímulo às importações, garantindo uma perda de crescimento ainda significativo em 2011.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.