Marcos Corrêa/PR
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes durante o Fórum de Investimentos Brasil 2021. Marcos Corrêa/PR

'Economia brasileira está de novo em uma rota surpreendente', diz Guedes

Ministro afirmou a investidores que a atividade econômica dá sinais de que a pode crescer bem acima dos 3,4% este ano; segundo ele, nos próximos dias será aprova uma MP para melhorar o ambiente de negócios o País

Célia Froufe e Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2021 | 12h40

BRASÍLIA - O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta segunda-feira, 31, a potenciais investidores internacionais que a "economia brasileira está de novo em uma rota surpreendente", ao destacar que o governo e o mercado estão revendo as projeções de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 2021. “(A economia brasileira) Está dando indicações de que pode crescer bem acima dos 3,4% este ano. As revisões do mercado para crescimento estão acima de 4% e há quem preveja 5%”, afirmou, durante o Fórum de Investimentos Brasil 2021, um evento internacional para atração de investimentos estrangeiros para o Brasil, organizado pela Apex-Brasil, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e governo federal. 

Ele disse durante o evento, realizado de forma virtual, que organismos internacionais erraram em previsões de crescimento do Brasil em 2020 e “parece” que se equivocarão de novo em 2021”. Nesta terça-feira, 1º, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) vai divulgar o resultado do PIB do primeiro trimestre. 

Segundo Guedes, uma medida provisória deve melhorar o ambiente de negócios no País. "Vamos aprovar nos próximos dias MP que melhora o ambiente de negócios. Devemos melhorar de 30 a 40 posições no ranking mundial de ambiente de negócios", disse.

Há dois meses, o governo federal editou a MP, apontada como um marco para consolidar mudanças no País, com forte impacto na facilidade de se fazer negócios no Brasil e no ranking Doing Business. Durante o lançamento da medida, o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos Da Costa, havia previsto avanço em 20 posições nesse ranking do Banco Mundial. O Brasil ocupa atualmente o 124.º lugar e o objetivo de médio prazo do Ministério da Economia é chegar ao Top50 do ranking.

"Estamos preparando o ambiente de negócios para retomarmos o caminho da prosperidade", disse Guedes. "Queremos que Brasil seja uma das maiores economias de mercado do mundo. Não apenas ser a oitava, nona, décima maior economia, mas ser uma economia de mercado", acrescentou.

Guedes afirmou aos investidores que o governo está reforçando a vocação da agroindústria brasileira e que esse movimento não se dá na direção apenas da produção agrícola, mas também de minerais. "Vamos reindustrializar o Brasil com energia barata", disse, num momento em que aumentam as preocupações no País sobre a possibilidade de falta e energia.

Ele salientou que o Executivo está encaminhando um projeto de reforma tributária ao Congresso Nacional depois de já ter enviado o que trata da administrativa. "As reformas administrativa e tributária devem avançar este ano", previu. "Vamos surpreender o mundo mais uma vez, pois o Congresso brasileiro é reformista."

O ministro disse também que espera “leilões bastante concorridos” para a privatização dos Correios e Eletrobrás. Ele afirmou que o programa de privatização brasileiro foi retomado. “Antes, vendiam subsidiárias, agora, estamos vendendo Correios e Eletrobrás. Esperamos sucesso garantido com privatizações de Correios e Eletrobrás, como ocorreu na Vale”, disse. “Com privatizações, vamos disparar imediatamente investimentos em áreas sociais críticas, como saneamento.”

'Futuro digital e verde'

O ministro aproveitou sua fala para pedir recursos para o meio ambiente e a digitalização da economia brasileira. “Queremos ajuda e investimento de fora para construir futuro digital e verde. Uma árvore viva vale mais que uma morta, biofármicos, turismo, economia verde, tudo girará em torno da Amazônia”, afirmou. 

Segundo Guedes, a reforma tributária mudará o eixo das isenções tributárias da energia “fóssil e suja” para a economia verde e digital.

Apesar das críticas internacionais ao aumento do desmatamento no Brasil durante o governo do presidente Jair Bolsonaro, Guedes disse que o meio ambiente é um tema decisivo para economia brasileira. “Vamos nos tornar centro da economia sustentável. A Amazônia será centro de provisão de serviços para economia do meio ambiente”, completou.

Ele disse ainda que o governo está revendo sua projeção de déficit primário neste ano de 3,5% para abaixo de 3% do PIB. Segundo o ministro, os gastos extraordinários estão sendo “gradualmente removidos” e o País está voltando à “trajetória de controle e responsabilidade nas contas públicas”.

“Não faltarão recursos para importação de vacina e produção local de imunizantes. Teremos produção própria de vacinas e aceleramos a importação do exterior”, completou.

Mais uma vez Guedes defendeu a imunização em massa como a principal estratégia para a retomada da atividade no Brasil. “A vacinação em massa é principal política econômica que podemos fazer agora. E de saúde também.”

No mesmo evento, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, previu que até o fim do ano toda a população brasileira estará imunizada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Crise sanitária 'enseja preocupações', mas não compromete ação de longo prazo no País, diz Bolsonaro

Na abertura do Fórum de Investimentos Brasil 2021, ele afirmou a potenciais investidores que a economia brasileira já retomou a recuperação e que o País voltou a gerar empregos

Célia Froufe e Matheus de Souza, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2021 | 11h32
Atualizado 31 de maio de 2021 | 12h58

BRASÍLIA e SÃO PAULO - O presidente Jair Bolsonaro afirmou a investidores nesta segunda-feira, 31, durante sua fala de abertura do Fórum de Investimentos Brasil 2021, que, apesar de a crise sanitária criada pela pandemia da covid-19 "ensejar preocupações", ela "não tem o poder de comprometer o longo prazo de uma das maiores economias do mundo".

"O Brasil está mais do que nunca preparado para oferecer oportunidades únicas a investidores de todo mundo por meio de suas potencialidades", afirmou. 

Ele disse lamentar as vidas perdidas devido à pandemia, sem comentar o número de mortes pela covid-19, que hoje é de mais de 460 mil pessoas. "Manifesto meu pesar às famílias das vítimas", disse, destacando o número de vacinas aplicadas no País e acordos para compra de vacinas.

O presidente participou do evento ao lado do ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, e do ministro da Economia, Paulo Guedes. Somente Guedes fazia o uso de máscara de proteção.

O fórum é organizado pela Apex-Brasil, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e governo federal. Quando o site do evento foi lançado, o presidente gravou um vídeo como garoto-propaganda para atrair participantes. Essa é a primeira vez que o fórum é realizado de forma totalmente virtual, por causa da pandemia de coronavírus.

Aos potenciais investidores, Bolsonaro disse que a economia brasileira já retomou a recuperação e que o País também voltou a gerar empregos. "Meu governo tem o compromisso com reformas e projetos para reduzir o custo Brasil." 

Na semana passada, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a taxa de desemprego atingiu o nível recorde de 14,7% no primeiro trimestre e que 14,8 milhões de brasileiros estavam em busca de trabalho no período.

O presidente afirmou que sua administração tem buscado maior conexão com os fluxos globais de comércio e investimento e reforçou que deseja o ingresso do Brasil na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), instituição multilateral que tem sede em Paris.

Assim como tinha enfatizado durante a Cúpula de Líderes sobre o Clima, organizada no mês passado pelo presidente americano Joe Biden, o chefe do Executivo brasileiro voltou a falar do "paradoxo amazônico" e pregado que é necessária uma "adequada remuneração" para o desenvolvimento econômico da região, aliado à sustentabilidade.

Segundo Bolsonaro, a meta de atração de investimentos para o País no fórum é expressiva, com a apresentação de 60 projetos que têm o potencial de obter US$ 72 bilhões em direcionamento de recursos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.