Economia brasileira vai crescer em 2010 acima de 4,5%, diz Pastore

Para o economista, como a crise gerou folga no uso da capacidade instalada, País pode crescer em ritmo forte

Fábio Graner, da Agência Estado,

19 de março de 2010 | 14h39

O economista Affonso Celso Pastore afirmou  nesta sexta-feira que a economia brasileira vai crescer este ano acima do seu potencial, que é de 4,5% ao ano. Segundo ele, a recuperação da atividade econômica no Brasil ocorre de forma relativamente rápida, com as projeções variando de 5,5% a 6,2% de crescimento do PIB neste ano. Para o economista, como a crise gerou uma folga na utilização da capacidade instalada, o País pode crescer no ritmo forte que está atualmente. Mas isso não pode ocorrer por muito tempo, sem prejudicar a saúde da economia. "Um crescimento de 6% não é a taxa de longo prazo da economia brasileira", disse Pastore.

 

Ele ressaltou que, se o Brasil quiser ter maior capacidade de expansão econômica, será necessário fazer reformas para elevar a poupança do setor público, viabilizando um nível de investimentos mais elevados, bem como estimular o aumento de produtividade e inovação tecnológica. Pastore explicou que se o País crescer por muito tempo acima de seu potencial, o déficit na conta corrente do Balanço de Pagamentos vai aumentar e atingir níveis insustentáveis. Ele também lembrou que o cenário externo, com as economias dos Estados Unidos e da Europa com dificuldades para crescer, dificulta o aumento da quantidade de exportações do Brasil.

 

Para o economista, o fato de o País poder crescer a uma taxa de 4,5% é uma boa notícia, já que este é um nível acima do que devem crescer os países desenvolvidos e também superior à média histórica do Brasil. Pastore disse também que a taxa de juros no Brasil está abaixo do nível de equilíbrio, por conta do enfrentamento da crise, e, por isso, em algum momento terá que ser elevada. Mas ele ressaltou que a tendência de longo prazo é de taxas de juros cadentes no País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.