Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Economia cresce menos de 1% em 12 meses, aponta prévia do PIB do Banco Central

IBC-Br, indicador que mostra o ritmo da atividade econômica, subiu 0,27% em agosto, uma desaceleração em relação ao mês anterior, quando havia avançado 1,52%

O Estado de S. Paulo

16 de outubro de 2014 | 08h41

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB), apontou que a atividade econômica teve uma ligeira melhora em agosto, mas ainda assim continua fraca. No oitavo mês do ano, o IBC-Br avançou 0,27% na comparação com julho. Em 12 meses, a economia cresceu menos de 1%: se considerada a série sem ajuste sazonal, a alta foi de 0,88% e, se observada a série com ajuste, foi de 0,93%.

O ajuste sazonal é feito para que a série passe a considerar os ciclos de produção, vendas e de safra agrícola. A alta de agosto veio um pouco abaixo da mediana esperada por analistas, de 0,30%, mas dentro do intervalo calculado por eles, de -0,10% a 0,70%. Ao subir pelo segundo mês consecutivo em agosto, o IBC-Br atingiu o maior patamar desde abril, quando estava em 147,18 pontos. De acordo com dados do BC, o número passou de 146,34 pontos em julho, na série dessazonalizada, para 146,73 pontos em agosto. O maior nível do indicador este ano foi em janeiro, quando estava em 147,20 pontos. Apesar do crescimento, o ritmo de alta se mostrou fraco já que em julho o indicador havia subido 1,52%.

No acumulado dos oito primeiros meses do ano, o indicador passou para o terreno negativo, ao ficar com uma taxa de -0,11% (sem ajuste sazonal). Até julho, por esse critério, ainda era verificada uma leve alta de 0,07%. Na comparação entre os meses de agosto de 2014 e de 2013, houve retração de 1,35% também na série sem ajustes sazonais. 

O IBC-Br serve como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses. Entre os componentes do indicador estão a Pesquisa Industrial Mensal e a Pesquisa Mensal de Comércio. A projeção do Banco Central para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano é de 0,7%, segundo o último Relatório Trimestral de Inflação (RTI) divulgado em setembro. Já pelos cálculos do Ministério da Fazenda, a economia brasileira 

Trimestre. O IBC-Br registrou queda de 0,72% no trimestre de junho a agosto de 2014 na comparação com os três meses anteriores pela série ajustada do Banco Central. Na divulgação do mês passado, no trimestre encerrado em julho, a baixa havia sido de 0,95% ante os três meses anteriores.

A instituição revisou alguns dados do índice de atividade econômica na série com ajuste. A nova taxa de julho é de 1,52% e não mais de 1,50%. Em junho o dado passou de -1,51% para -1,46%. Em maio, o indicador foi alterado de -0,46% para -0,61%. Para abril, a revisão foi de 0,10% para 0,18%. No caso de março, a mudança foi de -0,13% para -0,07%. 

(Com informações da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
IBC-BrPIBEconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.