Economia da Argentina cresceu 9% em agosto

A economia da Argentina cresceu 9% em agosto na comparação com igual mês do ano passado, segundo o presidente Néstor Kirchner. Faltando poucos dias para as eleições presidenciais de 28 de outubro, para as quais sua mulher, Cristina Fernández de Kirchner é a candidata oficial, o presidente tomou gosto para adiantar os anúncios sobre a economia do país. O número oficial será divulgado amanhã pelo Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec).Analistas afirmam que a economia da Argentina continua crescendo de maneira sustentável, como afirma o economista Orlando Ferreres. De acordo com as projeções de sua equipe, setembro também teve um forte crescimento da atividade econômica: 9%."O dinamismo do consumo manteve o crescimento em níveis altos", afirma o relatório da Ferreres e Associados. No entanto, o estudo faz a advertência de que isso pode gerar pressões inflacionárias a médio prazo. Longe de tomar medidas contra a inflação, o governo Kirchner aposta no consumo. "Quando a Argentina optou por esfriar a economia gerou uma recessão fenomenal que derivou em 2001 em uma das explosões mais importantes que o país já teve", afirmou o presidente durante uma solenidade, ontem, em uma planta da Volkswagen.Kirchner também anunciou uma baixa no desemprego de 7,7% em julho, para 7,8% em setembro. "A Argentina vai chegar a um desemprego de apenas 7,7% em setembro, depois de ter tido uma taxa de 20,4%", ressaltou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.