Economia dá sinais positivos, diz economista da FGV-RJ

O reaquecimento da indústria paulista, o saldo expressivo na balança comercial, a valorização dos ativos e a perspectiva de queda na taxa da inflação, foram considerados pelo economista Roberto Fendt, da FGV-Rio, como os primeiros sinais de que a esperada recuperação da economia brasileira está à vista. Em entrevista ao programa Conta Corrente, da Globo News, Fendt acentuou que, nas últimas semanas, só tem havido boas notícias, mas ainda falta a aprovação, pelo Congresso, das reformas previdenciária e tributária para que o País ingresse numa era de efetivo crescimento sustentado.Ouvido no mesmo programa, o economista-chefe da Itaú Seguradora, Marcelo Carvalho disse que, olhando para a frente, o cenário de fato parece favorável, mas lembrou que há sempre riscos internos e externos. "Mas essa parece ser uma história, talvez para o ano que vem. No momento, as expectativas continuam bastante favoráveis e é provável que continue a valorização dos ativos financeiros." Segundo Carvalho, na medida em que a economia volte a crescer em 2004, a probabilidade é de que as contas externas não apresentem resultados tão espetaculares como foram até agora. "O cenário é favorável, é claro, mas depende agora de a gente caminhar para o crescimento sustentado. É preciso ir além da retomada cíclica, a partir de um patamar baixo de crescimento, e caminhar para um crescimento mais acelerado e que não coloque pressões nem na inflação, nem nas contas externas. Este é o desafio: não só o crescimento do consumo, mas principalmente o crescimento do investimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.