coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Economia de energia está acima do esperado

O consumo de energia elétrica nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste tem-se mantido, após o fim do racionamento em 1º de março, em níveis abaixo do projetado pelo Operador Nacional do Sistema (ONS). De acordo com o diretor-presidente do órgão, Mário Santos, o consumo nas regiões Sudeste e Centro-Oeste manteve-se 4,97% abaixo dos 26,270 mil megawatts (MW) projetados para as regiões.No Nordeste, onde a Câmara de Gestão da Crise de Energia Elétrica (GCE) foi obrigada a instituir, no fim do ano passado, feriados para possibilitar o cumprimento das metas de racionamento, a economia tem sido ainda maior: 9,4% abaixo dos 5,938 mil MW projetados pelo ONS. A queda no consumo nordestino tem recebido a ajuda de um clima mais ameno nesta época do ano, com o registro de temperaturas mais baixas."A sociedade continua a fazer economia", comemorou Santos. Segundo ele, a expectativa é a de que o País não enfrente mais problemas com a oferta de energia entre 2002 e 2003. Ele acrescentou, porém, que é impossível garantir que não ocorrerão eventuais apagões. Santos lembrou que as usinas hidrelétricas estão cada vez mais distantes dos grandes centros consumidores, e que, devido à falta de investimentos no início da década de 90, o sistema de transmissão está sujeito a sobrecargas.Santos insistiu na necessidade de que o governo amplie o número de projetos de linhas de transmissão a serem licitados para a iniciativa privada. "Se a iniciativa privada não entrar, as empresas do governo devem garantir esses projetos", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.