Victor J. Blue/The New York Times
Victor J. Blue/The New York Times

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Economia dos EUA surpreende, cria 2,5 milhões de vagas em maio e taxa de desemprego cai a 13,3%

O setor privado dos EUA criou 3,094 milhões de empregos no mês, enquanto o governo cortou 585 mil postos

André Marinho, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2020 | 10h17

Os Estados Unidos criaram 2,509 milhões de empregos em maio, sugerindo que a economia americana superou o pior momento da crise provocada pelo novo coronavírus, segundo dados com ajustes sazonais publicados nesta sexta-feira, 5, pelo Departamento do Trabalho. O resultado surpreendeu analistas consultados pelo Projeções Broadcast, que previam eliminação de 3 milhões a 10 milhões de postos de trabalho, com mediana de 8 milhões.

A taxa de desemprego caiu do maior nível desde a Grande Depressão de 1929, 14,7% em abril, para 13,3% em maio. Neste caso, a projeção era de aumento da taxa para 19%.

Os números de postos de trabalho em abril foram fortemente revisados, de eliminação de 20,687 milhões a corte de 1,373 milhão. Já a taxa de desemprego no mês ficou inalterada.

O salário médio por hora dos trabalhadores caiu 0,97% em maio ante abril, ou US$ 0,29, para US$ 29,75 por hora. Na comparação anual, houve acréscimo de 6,75%. Analistas esperavam ganhos de 1,5% na comparação mensal e de 9,4% no confronto anual.

Apenas o setor privado dos EUA criou 3,094 milhões de empregos em maio, enquanto o governo cortou 585 mil vagas.

Já a fatia da população dos EUA que participa da força de trabalho subiu de 60,2% em abril para 60,8% em maio. / Com informações da Dow Jones Newswires

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.