Tânia Rêgo/Agência Brasil - 3/1/2018
Tânia Rêgo/Agência Brasil - 3/1/2018

-15%

E-Investidor: como a queda do PIB afeta o mercado financeiro

Economia desautoriza secretário e diz que auxílio emergencial não será mantido pós-pandemia

Na segunda-feira, Carlos da Costa havia dito que alguns programas poderiam ter vindo 'para ficar'; custo calculado do auxílio de R$ 600 é de 123,9 bilhões

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2020 | 10h46

BRASÍLIA - O Ministério da Economia disse nesta terça-feira, 12, que a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus trouxe uma “oportunidade” para avaliar a efetividade dos programas de transferência de renda e desenhar propostas de melhorias. A pasta esclareceu, porém, que as despesas criadas “neste momento de excepcionalidade” não devem ser convertidas em permanentes para não comprometer a recuperação das contas públicas a partir de 2021 nem a trajetória da dívida pública.

O comunicado foi divulgado após a repercussão de uma declaração dada na segunda-feira, 11, pelo secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, Carlos da Costa, em transmissão promovida pelo BTG Pactual. “Talvez alguns programas tenham vindo para ficar”, disse Costa em referência ao auxílio emergencial de R$ 600 para trabalhadores informais, autônomos, microempreendedores individuais e desempregados.

O programa tem custo calculado em R$ 123,9 bilhões considerando os três meses de duração. É quatro vezes o orçamento de um ano inteiro de pagamentos do Bolsa Família.

“Sobre as notícias de que o programa de auxílio emergencial pode ser permanente, o Ministério da Economia esclarece que tem tomado medidas de caráter temporário para combater os efeitos da pandemia”, diz a nota da pasta. “O compromisso com o teto de gastos dá credibilidade e promove investimentos que criam empregos e faz com que o governo onere cada vez menos a sociedade.”

A Economia informou ainda que neste momento a preocupação do governo é preservar vidas e a atividade econômica.

“Com medidas extraordinárias, foi possível socorrer os mais vulneráveis que perderam seu sustento. Essa crise trouxe, entretanto, uma oportunidade para avaliar a efetividade dos programas de transferência de renda e desenhar propostas de melhorias”, sinalizou a pasta. O Ministério disse ainda que projetos para a reativação da economia estão em estudo e serão divulgados “no momento oportuno”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.