Estadão
Estadão

Economia deu uma 'desacelerada forte' no começo do ano, diz Levy

Ministro da Fazenda afirma, no entanto, que o governo está construindo uma estratégia de retomada do crescimento e que exportações e investimentos devem ganhar fôlego ainda em 2015

Reuters e Agência Estado

27 de março de 2015 | 17h30

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmou nesta sexta-feira que não houve surpresa nos dados do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro referentes ao ano passado, mas que os números apontaram para um início de 2015 sem impulso na atividade doméstica.

"Vamos descobrir (adiante) que a economia deu uma desacelerada forte neste começo de ano", disse Levy a jornalistas, em entrevista para comentar os dados divulgados mais cedo pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

Segundo ele, no entanto, as questões que geravam incertezas já estão sendo respondidas. "Na medida em que a gente também vai construindo essa estratégia da retomada do crescimento, certamente a economia vai responder, porque o principal fator era a incerteza que havia na virada do ano", afirmou.

Levy repetiu que o Brasil vive um momento de transição e que os ajustes em curso na política econômica são necessários para que a confiança seja retomada e os investimentos cresçam.O ministro afirmou ainda que o real mais depreciado ajudará as exportações, beneficiando a economia brasileira à frente.Em relação aos investimentos, ele espera uma recuperação no segundo semestre deste ano.

"Começa a haver espaço para uma recuperação das exportações. No ano passado, a contribuição das importações e exportações foi neutra, uma compensou a outra. Este ano, nós esperamos que haja recuperação das exportações e que, portanto, o setor externo possa ajudar no crescimento da economia", afirmou o ministro.

Para o ministro, empresas que desejem "se aparelhar" não só para exportar, mas para atender o mercado local, podem alavancar a compra de máquinas e equipamentos e, consequentemente, elevar a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) - uma medida de investimento - e a própria taxa de investimento da economia brasileira. 

O ministro ressaltou ainda que a estratégia vem sendo desenvolvida pelo governo em conjunto com o Congresso Nacional. Levy tem mantido conversas com deputados e senadores nas últimas semanas para diminuir a rejeição das medidas de ajuste fiscal entre os parlamentares.   

O IBGE divulgou que a economia brasileira cresceu 0,3% no quarto trimestre na comparação com os três meses anteriores, beneficiada pela expansão do setor agropecuário. No acumulado de 2014, porém, a atividade teve expansão mínima de 0,1%, com a FBCF recuando 4,4%, o pior resultado desde 1999.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROLEVYDESACELERACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.