André Dusek/Estadão - 9/1/2018
André Dusek/Estadão - 9/1/2018

Economia do Brasil se descola do resto do mundo e coloca mais pressão no Banco Central

Enquanto as projeções para atividade econômica no mundo sobem, no Brasil as previsões vêm em queda, num momento em que a inflação alta deve levar o BC a elevar os juros

Luciana Dyniewicz, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2021 | 15h00

Enquanto os economistas e o mercado se animam com as perspectivas de crescimento em 2021 da economia global - que deve ser impulsionada pela atividade nos Estados Unidos -, no Brasil, o movimento é inverso. Por aqui, os problemas  de gestão na economia e na saúde, além dos constantes ruídos políticos, detonaram uma crise de confiança que ameaça o PIB e pressiona o Banco Central a elevar a taxa básica de juros, a Selic, na quarta-feira, 17. Nem a alta das commodities no mercado internacional, que tradicionalmente impulsiona o País, terá capacidade de salvar 2021, segundo economistas. 

“A situação é muito complicada. A economia está voltando à recessão e, não obstante o desemprego e a baixa ocupação da capacidade instalada, a inflação está acima do centro da meta. E o ponto mais importante: estamos vendo uma combinação de inépcia, ignorância e irresponsabilidade na frente sanitária, o que deixa o Brasil muito fora do mundo”, diz o economista Eduardo Giannetti

O cenário, que já não era animador no começo do ano, hoje é de deterioração completa: o real é uma das moedas que mais perderam valor no ano (atrás apenas das de Cuba e da Líbia, onde a desvalorização foi deliberada), a inflação no acumulado de 12 meses se aproxima do teto da meta e o PIB deve retroceder no segundo trimestre - há um risco também no primeiro trimestre.

Para o ano, o mercado estima um crescimento na economia entre 3% e 4%. Na prática, isso significa uma  estagnação, dado que o carrego estatístico (quando a base de comparação - o resultado médio do PIB em 2020 - é baixa, mas o ponto de partida é elevado por conta da recuperação no último semestre do ano) é de 3,6%. O Itaú, por exemplo, projeta 3,8% - até semana passada, porém, estimava 4%. Para a economia global, o banco alterou, no mês passado, a projeção de 6,6% para 6,9%.

Na visão do economista-chefe do banco BV, Roberto Padovani, o episódio da Petrobrás foi o catalisador dessa crise de confiança que desestabilizou a economia. Ao anunciar que tiraria Roberto Castello Branco do comando da estatal, o presidente Jair Bolsonaro consolidou no mercado a impressão de que o governo não tem agenda. “Nos últimos dois anos, houve desconfiança, que crescia em alguns momentos. Ali (quando Bolsonaro anunciou a saída de Castello Branco), isso se consolidou”, diz Padovani.

Ao lado de uma pandemia descontrolada e do colapso do sistema de saúde, o episódio colaborou para que o câmbio descolasse ainda mais. Pelos fundamentos macroeconômicos do País e pela situação da economia internacional, o dólar deveria estar entre R$ 4,50 e R$ 5,00, segundo Padovani. Mas na segunda-feira, 15, fechou a R$ 5,64.

“Houve uma crise de confiança que bateu no câmbio, desancorou as expectativas e mudou a precificação do juro. O resultado é que o Banco Central deve ter de antecipar todo o plano (de elevar a Selic, para segurar a pressão inflacionária). Quando você olha para o mercado financeiro, tem um pessimismo gigante. Esse impacto de confiança bate no PIB”, diz Padovani. 

O pessimismo com o Brasil é mais claro, de acordo com os analistas, quando se observa a relação entre o preço das commodities e o câmbio. Em situações normais, uma alta das commodities como a que vem ocorrendo faria a moeda do Brasil - importante produtor global de commodities agrícolas e minerais - se valorizar. “Essa questão cambial revela a falta de rumo, de perspectiva, de seriedade de orientação política”, acrescenta Giannetti.

Para Silvia Matos, economista do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV/Ibre), a situação econômica, política e sanitária do País é a de um “barril de pólvora”, e a fraqueza econômica, ao lado da inflação acelerada, coloca o Banco Central diante de uma decisão difícil. “Apesar de ser óbvia a elevação do juro, não é uma decisão fácil, porque o BC vê que a atividade está fraca e que a política monetária (com a alta da Selic) deixará de estimular a economia”, diz. Silvia acrescenta que o resultado será um equilíbrio econômico em um patamar “pior”, com menos crescimento.

A consultora econômica Zeina Latif, porém, destaca que a elevação da Selic - o mercado financeiro projeta uma alta de 0,5 ponto porcentual, de 2% para 2,5% ao ano -  pode não ser suficiente para acalmar o mercado e segurar as pressões inflacionárias decorrentes, sobretudo, da desvalorização do real. “O câmbio está assim porque a economia não cresce, porque não tem vacina e porque não tem perspectiva de ajuste fiscal. Como se não bastasse, toda hora tem um evento novo, uma hora é a Petrobrás, outra é o presidente enfraquecendo a PEC Emergencial. O governo está sem rumo.”

Zeina acrescenta ainda que o fato de o ex-presidente Lula ter se tornado elegível - independente de a decisão estar correta ou não juridicamente - exacerba fraquezas do Judiciário. “Isso não sai barato para investidores. A visão do Brasil no exterior está muito abalada, e reputação é difícil de se reconquistar.”

A economista vê um risco de o Brasil entrar em um ciclo longo de estagflação. Giannetti destaca que o panorama pode ser ainda pior: de recessão com inflação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.