Economia dos Estados Unidos cresce 3,8%, apesar dos furacões

A economia dos Estados Unidos teve crescimento de 3,8% no terceiro trimestre do ano, acima do previsto, apesar do impacto dos furacões Katrina e Rita, informou hoje o Departamento de Comércio. A maioria dos analistas tinha calculado que o Produto Interno Bruto (PIB) seria de 3,6% entre julho e setembro, três décimos a mais que o trimestre anterior. O resultado divulgado hoje está acima do previsto, mas não inclui o impacto completo dos furacões que atingiu, principalmente, Nova Orleans.O Departamento do Comércio fará uma primeira revisão do número do PIB em 30 de novembro, e nesse momento estará em condições de precisar o impacto econômico dos furacões.O resultado divulgado hoje, aparentemente, valida a correção da política monetária adotada desde junho de 2004 pelo Federal Reserve (Fed, banco central americano), que aumentou gradualmente as taxas de juros para conter a inflação, sem prejudicar o crescimento econômico.O Comitê de Mercado Aberto do Fed fará na próxima terça-feira sua penúltima reunião do ano, e os analistas esperam outro aumento das taxas de juros, dos atuais 3,75% para 4%.Melhor resultado no G7O crescimento da economia dos Estados Unidos superou o ritmo anual de 3% durante 10 trimestres seguidos, circunstância que não acontecia desde março de 1986, quando concluiu um período de crescimento de 13 meses. Desde o terceiro trimestre de 2004, a economia dos EUA cresceu 3,6%, segundo o primeiro relatório do Departamento de Comércio sobre o período de julho a setembro.Além disso, este é o melhor resultado econômico entre o Grupo dos Sete (G7), que inclui EUA, Japão, Alemanha, Reino Unido, França, Canadá e Itália. Somente as economias do Japão e do Canadá superaram o crescimento de 2% durante os 12 meses até junho passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.