Economia dos EUA está parando, mas Europa não está tão mal--OCDE

O crescimento econômico dos EstadosUnidos está entrando em ponto morto, atordoado por uma daspiores crises imobiliárias já registradas, afirmou nestaquinta-feira a Organização para a Cooperação e DesenvolvimentoEconômico (www.oecd.org). Outras grandes economias industrializadas, maisnotavelmente o Japão, também estão sofrendo de alguma maneira,mas a zona do euro está se mantendo relativamente bem até aqui,escreveu a OCDE na revisão de suas previsões para as principaisregiões industrializadas. A organização previu crescimento de 0,1 por cento doProduto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos no primeirotrimestre. No segundo, a expansão deve ser nula. "Ninguém pode dizer com certeza se o resultado vai ser umpouco acima ou um pouco abaixo de zero, mas a questão é queisso não importa --vai ser ruim de qualquer jeito", disse oeconomista-chefe da OCDE, Jorgen Elmeskov, em entrevista àReuters. O OCDE está menos preocupada com a Europa, onde elevouligeiramente a previsão para o PIB no primeiro trimestre ereduziu a projeção para o segundo (0,5 e 0,4 por cento,respectivamente). "O céu não está desabando", disse Elmeskov. ALERTA INFLACIONÁRIO A OCDE soou o alarme contra a inflação, sinalizando que oBanco Central Europeu (BCE) não deve atender aos pedidos demenores juros. O Federal Reserve, que tem reduzido os juros para tentaraumentar a confiança e a atividade na economia, precisacaminhar com cautela a partir de agora para evitar um aumentodas expectativas de inflação, afirmou a OCDE. A alta do euro faz parte da tarefa do BCE para combater ainflação, e está evitando a necessidade de uma alta dos juros,disse a OCDE. A valorização da moeda torna as importações maisbaratas, especialmente petróleo e outras commodities. Nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha, disse a OCDE, háalguns sinais de que a expectativas das pessoas quanto àinflação estão ficando piores, e os bancos centrais precisamassegurar que isso não sairá de controle. Na zona do euro, as expectativas parecem "melhor ancoradas"até agora, acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.