Economia mundial cresce, mas há risco de inflação

Para que o crescimento mundial seja sustentável, é preciso haver cuidado com o risco inflacionário. A afirmação foi feita pelo presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, durante o encontro do grupo de bancos centrais do G10, formado pelas principais potências mundiais, nesta segunda-feira. Durante a reunião, foi afirmado ainda que a economia global atravessa um período "excepcional" de crescimento.O porta-voz dos bancos do G10 disse que o grupo considerara que é preciso observar os riscos inflacionários "com grande atenção" e recomendou trabalhar sobre eles tanto na escala mundial como em cada economia. Foram citados os preços do petróleo e da energia, os desequilíbrios globais e o protecionismo econômico como fatores estimulantes da alta de preço mundial.Ainda assim, o francês disse que as expectativas de inflação em nível mundial "estão ancoradas". Ele acrescentou que ainda não se materializaram os chamados "efeitos secundários" derivados das altas dos preços, especialmente no nível dos salários e dos custos trabalhistas.Com relação ao crescimento econômico, Trichet destacou a contribuição das economias emergentes ao desenvolvimento mundial.O G-10, que é integrado por Alemanha, Bélgica, Canadá, Estados Unidos, França, Holanda, Itália, Japão, Reino Unido, Suécia e Suíça, reúne-se a cada dois meses na sede do Banco para Compensações Internacionais na Basiléia (Suíça) para debater a situação da economia mundial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.