Economia mundial favorece América Latina, diz Cepal

O biênio 2004-2005 é favorável para o comércio internacional da América Latina, mas a integração regional enfrenta um momento de definições e requer a correção de falências para superar novos desafios.A conclusão é do documento Panorama da Inserção Internacional da América Latina e do Caribe 2004: Tendências 2005, divulgado nesta quarta-feira em Santiago pela Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal).A entidade destacou os bons preços internacionais, baixas taxas de juros, baixa inflação e bons resultados fiscais. O relatório acrescentou que o comércio dentro da América Latina e do Caribe se expandiu pelo segundo ano consecutivo a taxas mais elevadas que as exportações totais.Nos países da Comunidade Andina, o comércio aumentou 58,5% e, nos do Mercosul, 36,2%. No entanto, o comércio intra-regional continua sendo baixo (17%), em comparação com a Ásia (34%) e a União Européia (62%) e mantém um caráter cíclico.Segundo a Cepal, a agenda de negociações internacionais é extensa e inclui a ativa participação da região no cenário multilateral na Rodada de Doha. Essa agenda pode distrair os esforços necessários para atualizar os próprios esquemas de integração sub-regional, já que as dificuldades não são superadas pelos acordos extra-comunitários.O secretário-executivo da Comissão para a América Latina, José Luis Machinea, explicou que a economia mundial se caracteriza por novos fluxos comerciais e financeiros, ressaltando a maior presença da China e os países asiáticos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.