Economia não será mexida por política ou eleição, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, falando à imprensa logo após a saída de café da manhã com investidores no hotel Waldorf Astoria, garantiu que a economia não será alterada por causa da política ou das eleições. Lula foi enfático em afirmar que o governo decidiu que o Brasil não pode jogar fora a oportunidade de se transformar num país de economia sólida. O presidente disse estar convencido de que o Brasil entrou numa rota de crescimento sustentado e duradouro. "É um novo ciclo de crescimento. Nós vamos gerar todos os empregos que o povo brasileiro acredita que vamos gerar", afirmou. Sobre a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de reduzir a Selic, a taxa básica de juros da economia - de 19,75% para 19,50% ao ano -, Lula disse que já vinha afirmando há algum tempo que a taxa de juros iria cair no momento em que os responsáveis pela política monetária entendessem que deveria cair. "Chegou o momento", afirmou o presidente. Economia sólida e crescendoEle prosseguiu dizendo que a economia está sólida e está crescendo. "O emprego está crescendo, o PIB vai crescer e alguns salários estão crescendo", declarou. Lula citou pesquisa do Dieese que mostra que 85% dos trabalhadores estão fazendo acordos de reajuste salarial acima da inflação."Eu acabo de fazer reunião com empresários americanos mostrando as boas oportunidades de investimentos que temos no Brasil. Porque o Brasil está num momento auspicioso, o Brasil pode crescer, gerar empregos e distribuir um pouco de riquezas para o nosso povo", afirmou. Cenário políticoNuma referência à cassação do deputado Roberto Jefferson, Lula foi indagado se a limpeza no Congresso seria uma boa notícia. O presidente respondeu: "é".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.