Economia reage no 3º trimestre

Depois de perder fôlego, como deve mostrar o resultado do PIB do 2º trimestre a ser divulgado na sexta, economia voltou a acelerar

Fernando Dantas / Rio, O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2010 | 00h00

A economia pisou no freio no 2.º trimestre, e voltou a acelerar no 3.º - mas sem voltar ao ritmo alucinante do primeiro. Assim poderia ser resumida a visão quase consensual do mercado sobre o PIB do 2.º trimestre, que será divulgado na sexta-feira, e o momento atual da atividade econômica.

Para o 2.º trimestre, economistas ouvidos pelo Estado preveem um crescimento entre 0,6% e 0,9%, depois do salto de 2,7% no 1.º trimestre. Em ambos os casos, trata-se do crescimento em relação ao trimestre imediatamente anterior, já descontadas as variações sazonais.

Essas taxas podem ser anualizadas: 0,6% corresponde a um ritmo anual de 2,4%, 0,9% a 3,6% e 2,7% a 11,2%. Assim, se de fato o crescimento no 2.º trimestre cair para menos de 1%, a economia terá desacelerado de um ritmo anual de 11% para menos de 4%, entre o 1.º e o 2.º trimestres.

As fortes oscilações do PIB ao longo dos trimestres de 2010 devem-se basicamente às grandes variações da indústria, que começou o ano em ritmo superforte, sofreu uma desaceleração no 2.º trimestre, por causa do fim dos incentivos tributários e de ajuste de estoques, e voltou a se aquecer no 3.º trimestre, puxada pela contínua expansão do crédito e da massa salarial.

Depois de cair em abril, maio e junho, a produção industrial deve voltar a subir 0,9% (ante o mês anterior)em julho, segundo projeção do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Roberto Padovani, estrategista do WestLB, projeta 0,6% de expansão no 2.º trimestre, e uma reaceleração para algo próximo a 1% no 3.º. Ele nota que o ritmo atual está mais perto do ocorrido no 2.º trimestre do que no 1.º. Assim, mesmo com a retomada no 3.º trimestre, ele acha que "há uma desaceleração em curso, que enfraquece a visão de crescimento econômico excessivo".

Se a visão de retomada no 3.º trimestre parece consensual, há divisão sobre se a velocidade atual da economia está em torno do potencial de crescimento não-inflacionário, ou se está acima dele. A maioria dos economistas estima que esse potencial situa-se entre 4% a 4,5% ao ano. Pelas contas do WestLB, por exemplo, a economia brasileira alinhou-se próxima do seu potencial no 3.º trimestre.

Já Alexandre Schwartsman, economista-chefe do Santander, tem uma análise diferente. Ele prevê uma desaceleração para 0,9% no 2.º trimestre, o que representa 3,6% em termos anualizados e está apenas um pouco abaixo do potencial. Segundo suas projeções, o PIB pode registrar um crescimento de 1,3% ou 1,4% no 3.º trimestre, o que já joga o ritmo anual para próximo de 5,5% - acima do potencial.

Essas diferentes visões implicam previsões distintas de política monetária. Quase todo o mercado acha que o Banco Central (BC) não vai mais subir a Selic (taxa básica) em 2010 (ela está em 10,75%). Mas os que projetam uma retomada mais forte no 3.º trimestre apostam num novo ciclo de alta da Selic em 2011.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.