JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Economista de Ciro culpa política de preços da Petrobrás pela crise

Nelson Marconi, coordenador do programa de governo do pré-candidato à Presidência Ciro Gomes, defende revisão da política de preços da estatal

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2018 | 14h59

Para o economista Nelson Marconi, coordenador do programa de governo do pré-candidato à Presidência da República Ciro Gomes (PDT), a política de preços da Petrobras é responsável pela crise dos combustíveis deflagrada pela paralisação de caminhoneiros no País.

Reajustar os preços diariamente pela oscilação dos ativos no mercado internacional, disse o economista, interessa apenas ao investidor estrangeiro, e não ao País.

+ Greve dos caminhoneiros chega ao 5º dia; Forças Armadas vão desbloquear estradas

"Uma coisa é uma empresa comercial abrir capital e dizer que pode entrar capital estrangeiro e fazer o que quiser, tudo bem. Outra coisa é uma questão tão estratégica, um insumo tão nacional, botar para funcionar nessa lógica. Deu no que deu", comentou Marconi, após participar com Ciro de um almoço com empresários varejistas na capital paulista.

+ Ceasa do Rio recebe apenas 10% dos caminhões; movimento de compradores também cai

A solução, segundo ele, é negociar com os grevistas e encontrar o melhor caminho. "Pegar um insumo que é estratégico para o País e querer atribuir para ele uma rentabilidade que interessa somente ao investidor, que é um investidor externo... é óbvio que isso não ia dar certo", criticou.

+ Custo de medidas para caminhoneiros já chega a R$ 13,4 bi e pode subir para R$ 26,9 bi

Marconi defende rever a política de preço da estatal. "No futuro, tem que ter uma política de preços ligada aos custos da Petrobras, e não só à oscilação do dólar e do mercado externo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.