Economista defende leilão para exploração de petróleo

O diretor da Fidúcia Asset Management, Marcelo Serfaty, fez a defesa da realização do leilão dos blocos de exploração de petróleo, a ser realizada na próxima semana, que deverá atrair algumas das chamadas gigantes do setor petrolífero. "Eu acho que o investimento privado é fundamental para que o Brasil possa recompor, cada vez mais, sua capacidade de crescimento", afirmou durante entrevista ao Conta Corrente, da Globo News.Segundo ele, a busca da antecipação da auto-suficiência na produção é fundamental para o País, apesar dos protestos promovidos contra a realização do leilão. "Estratégico é ter petróleo; estratégico é poder eliminar os US$ 2 bilhões potencialmente no ano que vem de importação, porque a Petrobras vai produzir", destacou. "Importante são os resultados. O resto é uma coisa saudosista, ultrapassada, um modelo que já ficou na história."Instabilidade do preço de petróleo deve continuarMarcelo Serfaty estima que a crise de abastecimento de petróleo ainda não tem data para acabar. Para ele, tudo vai depender do desenrolar de fatores de risco existentes no Iraque, Venezuela, Rússia e até mesmo as incertezas provocadas pelas eleições norte-americanas. "Se a economia se desaquece um pouco mais, o Bush pode ficar inviabilizado (...); se acontece o oposto, o Bush se reelege e aí o potencial de terrorismo pode crescer", raciocina. "Essa especulação está toda refletida no preço do petróleo."Risco BrasilO analista previu que o Risco Brasil pode cair ainda mais nos próximos meses. Ele acha que depois de as apostas estarem todas concentradas na elevação do risco da Turquia, agora finalmente o País poderá ser beneficiado. "Como a Turquia está engajada dentro do projeto de convergência européia e crescendo fortemente, ela veio caindo na frente. Os apostadores foram para lá e jogaram a Turquia com um spread quase igual ao da Rússia", frisou. "Se as coisas continuarem se acalmando lá fora, agora talvez seja a nossa vez de sermos beneficiados com reduções de spread."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.