Economista dos EUA está otimista com crescimento do Brasil

O diretor do Centro Brasileiro da Universidade de Columbia, Albert Fishlow, disse nesta quinta-feira estar otimista em relação à capacidade de o Brasil atingir o crescimento sustentado ao longo da próxima década. Ele cumprimentou o ministro da Fazenda, Antônio Palocci, pelo trabalho da condução da política econômica nesses primeiros oito meses do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, dizendo todos devem reconhecer o que foi feito.Citou especificamente a queda do risco País de mais dois mil pontos-base no final do ano passado para cerca de 680 pontos-base, a queda do dólar e dos juros. "Fazer tudo isso em oito meses merece o reconhecimento de todo mundo", afirmou, ponderando que, como ex-professor do ex-ministro Pedro Malan, tinha de mencionar que parte desse desempenho se deve à política adotada pelo governo Fernando Henrique Cardoso. "O mercado hoje está dizendo que tem confiança no Brasil", disse em um seminário em São Paulo.Para obter o crescimento sustentado, Fishlow listou dois pré-requisitos: aumentar o comércio exterior, vendo as importações como possibilidade de conquista de uma tecnologia mais avançada que possibilite exportações; e um modelo que favoreça o crescimento da poupança que hoje está no mesmo patamar da década de 50, segundo ele.Fishlow também disse esperar que o governo Lula tenha um trabalho eficiente para reduzir a pobreza e citou a experiência do Chile como um exemplo de sucesso. "Depois de 15 anos de democracia chilena, a desigualdade do país caiu e hoje 20% da população vive abaixo da linha de pobreza, quando no passado este porcentual era o dobro."

Agencia Estado,

28 de agosto de 2003 | 18h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.