Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Economista prevê queda de juros nos EUA e da Selic

A taxa de juros básica do País deverá cair 0,25 ponto porcentual já na próxima reunião do Conselho de Política Monetária (Copom), no próximo dia 17, como resultado de uma esperada queda de 0,50 ponto percentual na taxa de juros norte-americana. A avaliação é do economista Luiz Roberto Cunha, da PUC-RJ. Segundo ele, a decisão a ser anunciada amanhã pelo Federal Reserve (Fed) deverá estar de acordo com o último relatório do Copom, que trabalhava com a queda de 0,50 ponto porcentual nos juros dos EUA. Ele admite que, por outro lado, uma frustração dessa expectativa poderá levar o mercado brasileiro a "colocar um pé atrás", mas considera essa hipótese pouco provável. Para Cunha, o Brasil se beneficiará imediatamente com a possível redução dos juros norte-americanos, já que haverá queda nos custos da dívida externa. Poderá se beneficiar ainda de uma gradual retomada do crescimento dos Estados Unidos que, se ocorrer no início do segundo semestre, poderá alavancar as exportações brasileiras, melhorando o resultado da balança comercial do País ainda neste ano.

Agencia Estado,

30 de janeiro de 2001 | 18h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.