Wilton Junior|Estadão
Wilton Junior|Estadão

Economista Salomão Quadros morre aos 62 anos no Rio

Especialista em inflação, Quadros trabalhava na FGV havia 39 anos; ele estava internado desde o início do ano

Renata Batista, O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2019 | 21h52

RIO - O economista e pesquisador Salomão Quadros, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (IBRE/FGV), morreu na tarde desta quinta-feira. Ele estava internado desde o início do ano por complicações decorrentes de uma doença na medula óssea, a síndrome mielodisplásica. Ele tinha 62 anos e trabalhava na FGV há 39 anos. Deixa a mulher Karina e as filhas Isadora e Julia.

O pesquisador era um dos maiores especialistas em índice de preços do Brasil, responsável pelas análises dos Índices Gerais de Preços (IGPs) e pela coordenação de diversos projetos na área de cálculos e análises econômicas. Antes de chegar à FGV, onde fez o doutorado em economia, formou-se em engenharia elétrica na Pontifícia Universidade Católica (PUC) e cursou o mestrado em engenharia de produção pela COPPE/UFRJ.

A doença, que faz com que a medula deixe de produzir os componentes do sangue, foi descoberta há cerca de dois anos. No início do ano passado, Quadros chegou a se submeter a um transplante de medula em São Paulo. De volta ao Rio, tentou retomar a rotina mas o enfraquecimento da medula acabou levando-o a sofrer com diversas infecções oportunistas.

Colega de Quadros no Ibre, Aloísio Campelo lembra que no livro “Muito além dos índices: crônicas, história e entrelinhas da inflação”, publicado em 2008, Quadros explorou também seu lado de cronista. “Ele ia além dos índices. Tinha essa capacidade de analisar as causas e consequências das variações de preços, de mostrar o impacto das diversas formas de medir a inflação sobre os índices”, resume, lembrando que, mesmo doente, ele fazia questão de analisar os índices e comentar com os jornalistas.

Em nota, a FGV lamentou a morte de Quadros, um “dos nomes mais relevantes em assuntos de macroeconomia”.  “Durante 15 anos, Salomão se dedicou à pesquisa e análise da inflação, sendo o responsável pelos principais indicadores econômicos do país, como o IGP-M. Ele escreveu também o livro “Muito além dos índices: Crônicas, histórias e entrelinhas da inflação”, declarou.

“Salomão era uma pessoa muito estudiosa, com uma cultural geral muito grande e foi um ótimo aluno no doutorado. Era um excelente amigo e colega de trabalho que deixará saudades”, lembra André Braz, coordenador do IPC do FGV IBRE.

O velório será realizado entre 9h e 11h de sábado, 26 de janeiro, no Salão Celestial do Memorial do Carmo, no Rio de Janeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.