Economistas discordam de elevação do superávit primário

Apesar de o superávit primário do setor público consolidado de setembro, de R$ 10,253 bilhões, não ter sido suficiente para estabilizar a relação dívida/PIB, que encerrou o período em 63%, economistas ouvidos pela Agência Estado não concordam que seja necessário que a meta do próximo ano seja elevada para algo entre 5% e 6% do PIB.Segundo previsões do economista sênior do BankBoston, Marcelo Cypriano, uma meta de superávit primário de 4,25% do PIB no ano que vem já agüentaria uma taxa de juro real de 8% e um crescimento modesto do PIB, sem contar com a apreciação esperada para o câmbio. "O bom resultado das empresas estatais mostra que ter preços adequados é o caminho certo para se obter bons superávits primários em 2003", defende o economista.Para o economista-chefe do BicBanco, Luiz Rabi, elevar superávit simplesmente por elevar não resolveria o problema do Brasil. "Elevação de superávit só resolveria a situação se for acompanhada das reformas da Previdência e tributária, o que sinalizaria para os investidores que o País está resolvendo seus problemas no longo prazo. Imposição de superávits são medidas de curto prazo e é o que a Argentina fazia", diz Rabi.Para Fábio Akira Hashizume, do JP Morgan, o fato de a relação dívida/PIB não ter sido estabilizada, mesmo com o superávit primário recorde de setembro, pode forçar o governo a intensificar o esforço fiscal de 2003. Mas questionado se este esforço teria que atingir os 5% ou 6% sugeridos por alguns analistas, especialmente estrangeiros, Akira afirma que primeiro é preciso saber que câmbio estes analistas estão considerando em suas projeções. "Eu estou falando da sustentação da desvalorização contínua do câmbio", diz. A taxa média ponderada de câmbio (ptax) usada para o cálculo da relação dívida/PIB em setembro foi de R$ 3,895, já caiu e deverá continuar em baixa, afirma o economista do BankBoston.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.