Marcos Santos/USP Imagens
Marcos Santos/USP Imagens

Economistas discutem o impacto da política monetária na economia em meio à pandemia da covid-19

Evento online, realizado em parceria entre o Ibre/FGV e o Estadão, será nesta quinta-feira, 15, às 10h, com inscrições gratuitas

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2021 | 11h50

A pandemia da covid-19 levou vários países a realizarem injeções de dinheiro público na economia (movimento conhecido no jargão financeiro como expansão monetárias) sem precedentes históricos. Esse cenário inclui muitos países emergentes que, de forma inédita, testaram instrumentos monetários não convencionais.

No Brasil, o Banco Central reduziu bastante a taxa de juros, até atingir o piso histórico de 2% ao ano. Nessa caminhada, a taxa real de juros se tornou negativa pela primeira vez desde o Plano Real. Porém, com  recrudescimento da crise sanitária este ano e a inflação mostrando força, o BC elevou a Selic em 0,75% na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). E, além disso, sinalizou novos aumentos futuros se a pressão inflacionária persistir. 

Qual o balanço que se pode fazer dessas várias experiências? Olhando para o futuro, qual será o papel da política monetária nesse quadro de recuperação econômica, diante de uma pandemia que não dá tréguas? Esses serão alguns temas a serem debatidos no webinar  "A política monetária e seus impactos na economia", que será realizado nesta quinta-feira, 15, em parceria entre o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) e o Estadão, das 10h às 11h30. 

Participarão do encontro Carlos Viana, sócio-fundador e head de Research da Asset 1 e ex-Diretor do Banco Central do Brasil; José Júlio Senna, chefe do Centro de Estudos Monetários do Ibre/FGV; e Márcio Garcia, professor titular do Departamento de Economia da PUC-RJ. A mediação será do jornalista Fábio Alves, colunista do Broadcast/Estadão

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo link: evento.fgv.br/politicamonetaria_15 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.